Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás faz primeiro concerto na China nesta terça (27)

Jovens músicos iniciam turnê por oito cidades chinesas com um repertório que dá destaque à música brasileira

Orquestra faz turnê na China até dia 5/1 | Foto: Lorena Moraes/Divulgação

A Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás (OSJ) vai para o outro lado do mundo: os 81 integrantes da orquestra — incluindo os jovens músicos e equipe — foram convidados para tocar na China. Os jovens desembarcaram na China no último domingo (25/12) e a partir desta terça-feira (27) até 5 de janeiro, a OSJ vai apresentar oito concertos nas cidades de Ningbo, Huzhou, Huzhou, Nantjing, Shaoxing, Shaoxing Keqiao, Deqing, Hangzhou e Shengsi.

A apresentação desta terça (27) será no Ningbo Grand Theatre, na cidade de Ningbo, próxima a Xangai. Fundada em 2001, a orquestra fará concertos inéditos e históricos. Segundo levantamentos feitos, será a primeira orquestra sinfônica brasileira a se apresentar no país oriental. “Um feito histórico para uma orquestra de Goiás”, afirma o maestro Eliseu Ferreira, regente titular da Orquestra.

O repertório dos concertos dará destaque à música brasileira, com composições de Villa-Lobos, Camargo Guarnieri, e alguns clássicos da MPB. A regência está a cargo dos maestros Eliseu Ferreira e Gottfried Engels (Alemanha) e como solista o músico Arthur Lauton (violino).

O governador Marconi Perillo (PSDB) falou da importância da Orquestra Jovem para o contexto cultural do Estado, destacando o trabalho de formação artística e o reconhecimento que o grupo tem alcançado. Disse ainda que Goiás será muito bem representado, assim como foi em outras turnês internacionais da Orquestra. O maestro Eliseu Ferreira, regente titular, afirmou que a participação do Governo de Goiás foi fundamental para a concretizar o desafio de chegar lá.

Essa é a terceira turnê internacional da Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás. O grupo já se apresentou na Espanha, em 2011; na Alemanha, em 2014. Além disso, a OSJ participou do festival Villa-Lobos, na Venezuela, em duas oportunidades, 2013 e 2015.

Segundo o governador, apesar da crise, existem instrumentos poderosos de fomento cultural. “Ao longo do tempo, nós criamos importantes instrumentos de valorização e apoio à cultura. Queria observar que só é possível ter uma boa política cultural por parte do Governo do Estado, porque Goiás é um celeiro de grandes artistas e intelectuais do melhor nível em todas as áreas.”

Marconi lembrou que no Estado há curadores de museus, músicos das mais variadas, temos artistas plásticos, pintores, companhias de dança, orquestras. “Temos em Goiás o que há de melhor no Brasil. Se o governo tem políticas maduras, é porque aqui também somos um celeiro de artistas no Brasil”, defendeu.

A orquestra

A Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás é composta por alunos do Instituto Tecnológico do Estado de Goiás em Artes Basileu França (Itego) que, após o processo de seleção, recebem do Governo do Estado uma bolsa mensal de R$ 800 para o custeio de sua formação. Sob a direção do maestro Eliseu Ferreira desde 2002, o grupo tem executado diversos espetáculos de ópera e balé anualmente, tais como: Quebra-Nozes, Giselle, La Bayadère, Carmina Burana, Carmen e Don Quixote.

A Sinfônica já realizou espetáculos em importantes salas de espetáculos do país tais como o Teatro Levino de Alcântara em Brasília (DF), o Teatro Coliseu em Santos (SP), o Auditório Cláudio Santoro em Campos do Jordão (SP) e o Teatro Municipal do Rio de Janeiro (RJ).

Sob a direção do maestro Eliseu Ferreira desde 2002, suas atividades têm sido desenvolvidas regularmente, em uma trajetória ascendente de crescimento artístico e institucional. Tem realizado uma grande quantidade de concertos em Goiânia e sua região metropolitana, além de cidades de GO e DF. (Com informações do Gabinete de Imprensa do Governo de Goiás)

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.