Oposição teme derrota em votação da reforma da Previdência na Câmara

Matéria será apreciada em plenário nesta quinta-feira (6/9) 

Foto: Arquivo

Após o presidente da Câmara Municipal de Goiânia, Andrey Azeredo (MDB), perder a paciência nesta quarta-feira (5/9) e dizer que reforma do IPSM seria votada quando ele quiser, a matéria foi incluída na pauta da Casa desta quinta-feira (6).

De acordo com a presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), vereadora Sabrina Garcêz (PTB), a oposição está desfalcada e que, por isso, ela está “sem esperanças” de derrubar a aprovação no plenário.

“A prefeitura tem conversado com os vereadores, além disso, o vereador Kajuru saiu, o vereador Elias (Vaz) está fora, então, sinceramente, eu não sei se conseguiremos [arquivar a proposta]. O clima mudou muito esta tarde”, admitiu.

A discussão será feita na semana em que o vereador Jorge Kajuru (PRP) resolveu entrar com pedido de licença para se dedicar à campanha ao Senado. Com voto contrário, o senatoriável solicitou que fosse avisado com antecedência da votação para poder participar. Apesar disso, ainda não há confirmação de que ele estará em plenário.

Articulação

Servidores municipais voltaram a lotar as galerias do plenário da Câmara Municipal de Goiânia na última terça-feira (4/9) para pressionar os vereadores pelo arquivamento do projeto de lei da reforma da Previdência.

O ato ocorreu após articulação da gestão do prefeito Iris Rezende (MDB) e do presidente Andrey Azeredo (MDB) para evitar que o texto fosse arquivado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa de leis.

Andrey resolveu avocar o projeto, juntamente com dezenas de outras matérias, após reunião com o prefeito, sob a justificativa de que as propostas estariam paradas. Com isso, as matérias deixam as comissões para serem votadas diretamente em plenário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.