Operação Inimigos do Rei prende 58 integrantes de facção criminosa

Ação da Polícia Civil de Goiás cumpriu mandados em sete estados

18 homens são presos suspeito de homicídios, tráfico de drogas e roubos em Goiás | Foto: Reprodução

Após cinco meses de investigação, a Polícia Civil deflagrou nesta quarta-feira (14/11) a Operação Inimigos do Rei, que prendeu dezoito pessoas na Grande Goiânia que seriam integrantes de uma facção criminosa que atua nos presídios de São Paulo.

Dos 58 mandados de prisão expedidos, durante a ação, 40 já foram realizadas e os suspeitos estão presos em Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e em Minas Gerais. Os 18 presos que não estavam encarcerados foram presos na Grande Goiânia. Um dos suspeitos, conhecido como “Imperador, que teve a prisão decretada, já cumpre pena em Aparecida de Goiânia.

“O que descobrimos após cinco meses de investigações, é que o Rogério De Moura Campos, que cumpre pena em Aparecida de Goiânia, é quem recebe as ordens da facção criminosa paulista, e então repassa determinações sobre o tráfico, roubos, e assassinatos a outros presos e a criminosos que estão aqui do lado de fora para que executem estes crimes”, disse o delegado João Victor Costa, adjunto da Delegacia Estadual de Repressão ao Crime Organizado (Draco), durante coletiva de imprensa.

Para o investigador, o “braço” goiano do PCC, que hoje teria pelo menos 1,5 mil membros em Goiás, cobra dos integrantes uma taxa mensal de R$ 30 para quem está preso, e R$ 60 para quem está do lado de fora. “Todo o dinheiro arrecadado é enviado para criminosos de São Paulo, que estão no topo da fação”, falou.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.