Operação Eptá afasta diretoria do presídio de Rio Verde

Policiais cumprem mandados de prisão e de busca e apreensão no município. Investigação apura participação de servidores públicos que facilitariam a entrada de objetos ilícitos para os detentos

Foto: Reprodução/ PCGO

Nesta quinta-feira, 10, a Polícia Civil e o Ministério Público em Rio Verde deflagraram a Operação Eptá visando o combate à corrupção no sistema prisional de Rio Verde. Foram cumpridos mandados de busca e apreensão em residências da cidade. O diretor da penitenciária e o supervisor de segurança foram afastados do cargo.

A investigação aponta indícios da existência de um esquema de corrupção instalado no Presídio de Rio Verde, onde existe a possível participação de servidores públicos que facilitariam a entrada de objetos ilícitos (drogas, celulares, cerveja, energéticos, whisky, dentre outros) para os detentos.

Na Operação Eptá, foram cumpridos dois mandados de prisão preventiva e um de prisão temporária. Foram presos: um ex-vigilante prisional temporário (VPT), um homem responsável pela movimentação financeira do pagamento de propinas e ainda foi cumprido um mandado de prisão de um homem que já estava preso (liderança negativa dentro da unidade prisional) que realiza pagamentos para entrada de ilícitos.

Foram mobilizados 35 policiais civis na operação que está em andamento. A ação conta com a participação da  Corregedoria da Polícia Penal do Estado de Goiás e do GOPE (Grupo de Operações Penitenciárias Especiais da Polícia Penal Estado de Goiás), que auxiliaram os policiais civis e promotores no cumprimento dos mandados judiciais dentro do presídio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.