OMS reconhece que foi lenta para responder à epidemia do vírus ebola

A diretora da organização pediu maior vigilância do mundo sobre a doença e mais recursos para o combate do vírus

A Organização Mundial de Saúde (OMS) reconheceu neste domingo (25/1) que foi lenta para responder à epidemia do ebola e que isso deve servir de lição para o futuro.

Na abertura da reunião de emergência para reestruturação do combate à doença, a diretora da OMS, Margaret Chan, estimou que, apesar de uma pausa na evolução da epidemia, não há “espaço para complacência”. Acrescentou que o progresso contra a doença pode ser rapidamente perdido.

Reafirmando que a OMS foi lenta no controle da epidemia, ela apelou para uma maior mobilização da organização.

“A África Ocidental foi confrontada com sua primeira experiência do vírus. O mundo e a OMS têm sido lentos para obsevar o que estava ocorrendo à nossa frente”, afirmou Margaret Chan aos delegados da organização, que participam da terceira reunião urgente da história da entidade.

“A tragédia do ebola ensinou o mundo inteiro, incluindo a OMS, a prevenir-se contra a situação no futuro”, salientou, afirmando que “o mundo imprevisível dos micróbios reserva surpresas”.

Para a diretora, “o mundo não deverá ser apanhado de surpresa”. Ela também pediu maior vigilância mundial sobre a doença e mais recursos financeiros para combater o ebola.

Depois de detetado, em dezembro de 2013, mais de nove mil pessoas morreram por causa da doença. A maioria dos casos ocorreu na Libéria, Guiné e em Serra Leoa.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.