OMS adverte que epidemia de ebola ainda é preocupante

Diretor da organização se mostrou preocupado com uma possível “indolência” motivada pela queda no número de casos de doença

Foto: C. Black/ WHO

Foto: C. Black/ WHO

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou nesta sexta-feira (23/1) que o combate à epidemia de ebola continua  extremamente difícil e a situação, muito preocupante.

Em entrevista coletiva, o diretor-geral adjunto da OMS e responsável pela resposta operacional à epidemia, Bruce Aylward, advertiu contra falsos otimismos. “Faço uma analogia: há seis meses, havia duas cobras na cama, e ninguém podia deitar-se ali. Agora, só há uma cobra, mas isso não significa que podemos apagar a luz e dormir”, disse Aylward.

Após mais de seis meses, o combate à epidemia que afeta alguns países da África Ocidental – Guiné Conacri, Libéria e Serra Leoa -, deu alguns resultados. Pela primeira vez desde que começou o surto, os três países registraram, durante quatro semanas seguidas, diminuição dos casos de contágio.

Nos últimos 21 dias (o período de incubação do vírus é de aproximadamente três semanas), foram registrados 463 casos, entre suspeitos e prováveis, em Serra Leoa; 109 na Guiné Conacri e 21 na Libéria, “o que constitui uma redução substancial, uma tendência muito bem-vinda”, acrescentou o diretor da OMS.

Ele ressaltou, porém, que a OMS está preocupada porque essa diminuição de casos “pode originar uma certa indolência”, que seria o pior risco. “O objetivo deve ser unicamente a redução dos casos a zero.”

Atualmente, um dos aspetos mais preocupantes é que só 50% das infecções registradas têm origem em uma lista de contatos, o que significa que existem muitos núcleos de transmissão desconhecidos.

Segundo Aylward, outro aspeto preocupante é o fato de existir uma forte transmissão nas capitais dos três países, situação que dificulta o controle do contágio, dado o grande número de pessoas, as constantes movimentações, a falta de controle social e as migrações.

Em termos globais, 21.296 pessoas foram infectadas pelo ebola desde o início do atual surto, há cerca de um ano, e, conforme os dados mais recentes da OMS, 8.429 morreram.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.