Oito deputados goianos se dizem contra a reforma da Previdência

Apenas três afirmam que votarão pela aprovação da proposta. Demais parlamentares estão indecisos ou não responderam. Veja lista

Fábio Sousa (PSDB), Flávia Morais (PDT), Rubens Otoni (PT) e Daniel Vilela (PMDB) dizem que votarão contra a reforma da Previdência | Fotos: Agência Câmara

Oito dos 17 deputados federais de Goiás se posicionam contrários à aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma da Previdência. Levantamento realizado pelo jornal Estado de S. Paulo e atualizado na tarde deste sábado (9/12) mostra a intenção de voto de todos os parlamentares.

São contra a proposta do governo os deputados Daniel Vilela (PMDB), Pedro Chaves (PMDB), Delegado Waldir (PR), Fábio Sousa (PSDB), Flávia Morais (PDT), Lucas Vergílio (SD) Magda Mofatto (PR) e Rubens Otoni (PT).

Em Goiás, três se posicionam a favor do projeto: Giuseppe Vecci (PSDB), Roberto Balestra (PP) e Thiago Peixoto (PSD). Não foram encontrados João Campos (PRB), Marcos Abrão (PPS) e Sandes Júnior (PP). Célio Silveira (PSDB) e Jovair Arantes não quiseram responder e Heuler Cruvinel (PSD) disse estar indeciso.

Ainda segundo o levantamento, o governo está longe de conseguir os 308 votos necessários para aprovar o texto. Apenas 62 deputados se posicionam a favor. Os votos contra somam 216. O número de indecisos é 95. Outros 73 não foram encontrados e 60 não quiseram responder.

Na última sexta-feira (8/12), o presidente Michel Temer disse que a votação da PEC pelo plenário da Câmara deve acontecer nos dias 18 e 19 de dezembro. Por causa do recesso parlamentar, a votação no Senado Federal deve ficar para fevereiro do ano que vem.

A matéria está pronta para ser votada desde maio, mas o governo protela colocar o projeto em pauta pela dificuldade em conseguir os votos necessários para aprovação. A articulação é para que o projeto seja votado ainda este ano, pois a avaliação é de que a rejeição da matéria pelos deputados aumenta à medida que se aproxima o período eleitoral.

Até agora, dois partidos decidiram fechar questão e obrigar seus deputados a votarem a favor da reforma: o PMDB do presidente Michel Temer e o PTB. Deputados que desobedecerem a determinação podem sofrer sanções internas.

Em busca de angariar mais votos, o governo fez alterações no texto, retirando os trabalhadores rurais da reforma e também retirando o trecho que estabelecia redução do valor de um salário mínimo mensal pago a idosos sem aposentadoria e a deficientes com baixa renda.

Entre os principais pontos da nova proposta, estão a fixação de idade mínima de aposentadoria de 65 anos para homens e 62 para mulheres, como estava no texto original, sendo que professores e policiais passam a cumprir exigência de 60 anos e 55 anos, respectivamente, sem distinção de gênero.

3 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

João Batista

Si votar a favor da reforma estára fora da câmara ano que vem com certeza. Esse Daniel Vilela sempre votando a favor do Temer.. E contra a população que o elegeu..

Reinaldo Santos Paim Filho

ele esta sendo contra

Rogério

Se o governo fechar a torneira de compra de parlamentares, incluindo aí, a liberação de benesses que custarão a população brasileira algo próximo de R$ 1 trilhão, e, se pautadas medidas microeconômicas de forma a reduzir gastos(efetivos), já seria bom caminho. Insistir nessa reforma torpe, sem discussão pública com seriedade, e, continuar a perdoar dívidas do mercado(esse mesmo que está avido por esta reforma), estamos trocando um tombou por outro muito maior, só que… Em benefício do “mercado”. Vamos colocar em 2018 gente séria pra conduzir esse hoje, famigerado país. Vamos tirar da vida pública os calhordas do PMDB,PPS,PP,PSDB,PT e… Leia mais

Antônio Saulo B de Lima

Não cometemos nenhum crime, para ter que trabalhar por mais 10 anos quem esta preste aposentar. Quem votar não volta. Reforma tem muita atrocidade principalmente para quem está preste aposentar. Meu caso tenho que trabalhar por 46 anos para aposentar. Um absurdo. O Presidente disse que ia haver uma transição e aumentar pouco. Mais 10 anos é pouco. Quem entrou serviço antes de 2003 muito prejudicado. Parabéns iniciativa dos nobres deputados vota contra reforma. Da maneira que está um dia pode fazer servidor trabalhar mais 10 anos. Injustiça não. Não entendo tanta pressa em aprova uma reforma.