Obra do mega-empreendimento da Consciente foi contestada pela Prefeitura

Conforme denúncia, a Semdus emitiu em 2014 parecer contrário ao Estudo de Impacto de Vizinhança. Prédio em construção fica na esquina das avenidas D e 85

nexus-consciente

O Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) referente ao Nexus Shopping & Business, empreendimento em construção na Avenida D com a 85, na divisa dos setores Oeste e Marista, já recebeu parecer contrário da Prefeitura de Goiânia, em 30 de janeiro de 2014. O local é grande ponto de estrangulamento do trânsito na capital.

Conforme documentação que o Jornal Opção Online teve acesso, o EIV e o seu relatório apresentado pela Consciente JFG Incorporações SPE, responsável pela obra, não atenderam às recomendações da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável (Semdus), hoje Secretaria de Planejamento Urbano e Habitação (Seplanh).

“Em análise à solicitação do requerente (…) o Comitê Técnico de Análise de Uso e Ocupação do Solo da Semdus informa que o Estudo de Impacto de Vizinhança e seu respectivo relatório não atendem as exigências necessárias, conforme consta no despacho nº 023/2014 do Departamento de Pesquisa, Estatística e Estudos Socioeconômicos inclusos nos autos”, diz o documento, assinado por Verônica Mansur Barbosa de Paula e Alberto Aureliano Bialoni, secretária e coordenador do Comitê Técnico de Análise de Uso e Ocupação do Solo, respectivamente.

Em encaminhamento anterior, de 19 de janeiro de 2014, o processo mostra que outro documento não havia sido entregue. O Departamento de Engenharia de Trânsito da Secretaria de Trânsito, Transporte e Mobilidade (SMT) disse estar aguardando a apresentação do Estudo de Impacto no Trânsito (EIT) para análise conclusiva. “Para colocamos parecer para apreciação superior, e posteriormente, retornar os autos.” O visto é do engenheiro especialista em trânsito Sérgio Fernando de Sousa Bitencourt.

A pasta exigiu que as pesquisas volumétricas de fluxo de veículos deveriam ter sido realizadas e apresentadas em horas fechadas, com volumes de 15 em 15 minutos, com intervalos de contagem das 7 às 9, 11 às 14, e de 17 e 19 horas, horários de maior pico. Ainda de acordo com a SMT, o ônus de qualquer intervenção necessária no sistema viário deve ser bancado pelo empreendedor.

As empresas Consciente Construtora e Incorporadora e a JFG Incorporações preparam o lançamento do prédio para o mês que vem. Ilézio Inácio Ferreira, da Consciente, é sócio de Júnior Friboi (SPE JJBJ Incorporações 85 LTDA) no empreendimento.

A reportagem entrou em contato com a Consciente, mas não obteve retorno até o momento.

Documento diz que estudo não atende exigências

Documento de janeiro de 2014 diz que EIV não atende exigências da prefeitura

Vereador questiona

Os pontos acima serão destaques da denúncia a ser apresentada na próxima quarta-feira (23) à CEI das Pastinhas pelo vereador Djalma Araújo (SD). A Câmara Municipal de Goiânia investiga rastros de irregularidades na emissão de alvarás de construção na gestão do ex-prefeito Iris Rezende (PMDB), entre 2007 e 2010.

Djalma aponta que por ser misto — hotel e corporativo — o empreendimento não poderia ser construído na Avenida D com a 85. Na avaliação dele, faltou aos empreendedores o repasse da chamada ação mitigatória, recurso a ser aplicado em melhorias no trânsito.

Ele questiona também a forma como as pesquisas de opinião do Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) feitas com a população são duvidosas. “As perguntas são induzidas e não há o nome dos participantes, apenas a rubrica”, reclama. Por isso, o vereador adianta que está preparando decreto legislativo pedindo a suspenção do alvará de construção. As pesquisas são de julho de 2013, sendo que foram ouvidos transeuntes nos setores Sul, Marista e Oeste, entre outros.

Presidente da CEI, Elias Vaz (PSB) disse ao Jornal Opção Online que é de responsabilidade do colega fazer a apresentação das denúncias. “É importante ressaltar que o período investigado é de 2007 a 2010, quando Iris Rezende era prefeito. O alvará desse empreendimento foi emitido depois.”

Líder da prefeitura na Câmara, Carlos Soares (PT) avalia que, se há dúvidas, é preciso apurar. “Estamos esperando o Djalma para nos mostrar a irregularidade, mas até agora não falou. Já falamos com ele, que disse que está ‘tudo’ errado. Mas o ‘tudo’ é genérico”, pontua.

Djalma Araújo questiona processo do empreendimento

Vereador Djalma Araújo com estudos do empreendimento em obras no Setor Oeste

Leia mais:
As pastinhas e a síndrome do fumante inveterado: uma Goiânia doente e fingem estar bem
Justiça considera ilegal decreto de Iris Rezende sobre o Plano Diretor
Servidores da prefeitura foram a Nova York com dono da Euroamérica em 2009
Deputado diz que processos de empreendimentos pequenos não passavam por suas mãos
“Prefeitura tem interesse nas investigações”, diz líder da base
Convocar Iris para depor não faz sentido, avalia Paulo Garcia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.