“O presidente vai precisar de um partido forte, se não tiver, terá dificuldades para se reeleger”, afirma delegado Waldir sobre Bolsonaro

Para o deputado, o PSL é a noiva mais cobiçada, com bom dote. Jair Bolsonaro retomou negociação para se filiar ao PSL, partido pelo qual disputou o pleito em 2018

Após o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), anular as condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o que o tornou elegível em 2022, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) retomou negociação para se filiar ao PSL, partido pelo qual disputou o pleito em 2018.

Na avaliação do deputado federal, delegado Waldir Soares (PSL), o presidente Bolsonaro precisa de um partido com estrutura em relação ao fundo partidário e o tempo de televisão para concorrer a eleição presidencial com Lula.

“Acredito que o PSL hoje é a noiva mais cobiçada pelos candidatos, considerando que essa noiva tem um bom dote. Nesse cenário, com a candidatura forte que é a do Lula, o presidente vai precisar de um partido com estrutura porque se não tiver com certeza ele terá grande dificuldades para se reeleger”, afirmou o deputado.

O delegado Waldir acredita que o fundo partidário e tempo de televisão serão necessários com polarização. “Com o Lula voltando ao cenário nós vamos ter a polarização entre a esquerda e a extrema direita. O presidente precisa se manifestar formalmente e depois ser avaliado pelo grupo de parlamentares do PSL e pela executiva nacional. Não é algo que vai acontecer da noite para o dia”.

Bolsonaro saiu do PSL em novembro de 2019, após o então presidente do partido, Luciano Bivar, não concordar em favorecer os filhos de Bolsonaro com o fundo partidário, além de desentendimentos internos e a disputa por controle de cargos.  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.