“Nunca rompi com Marconi Perillo”, diz presidente do Solidariedade Armando Vergílio

O pré-candidato ao governo afirmou que não irá recusar nenhuma conversa para decidir o destino do Solidariedade, entretanto, a inciativa para conversações não irá partir dele

 

Armando Vergilio

Presidente do Solidariedade de Goiás e pré-candidato ao governo pelo partido, o deputado federal Armando Vergílio tem observado todas as movimentações da base e da oposição. Ex-PSD, o parlamentar se desfiliou da sigla declarando no evento de sua filiação ao Solidariedade que sua antiga legenda está circunscrita apenas às vontades do presidente regional, o ex-secretário da Casa Civil, deputado federal e pré-candidato ao Senado Vilmar Rocha (PSD), braço direito do governador do Estado de Goiás, Marconi Perillo (PSDB).

Armando Vergílio lançou sua pré-candidatura pelo Solidariedade e desde então tem conversado com diversas figuras políticas, como Antônio Gomide (PT), Vanderlan Cardoso (PSB) (ambos pré-candidatos ao governo) e Ronaldo Caiado (DEM), que pleiteia vaga ao Senado. Cogitou-se que o deputado estaria pretendendo sair da cabeça de chapa para ficar em um cargo de vice ou senador em uma aliança com um desses partidos. 

Na época da sua desfiliação ao PSD, Vergílio declarou que estava “se desligando da base de apoio do governo”, afirmando também que isso não havia prejudicado em nada sua relação com Vilmar Rocha, que por sua vez desejou que o parlamentar “fosse feliz” como pré-candidato ao governo. Entretanto, o presidente do Solidariedade explicou ao Jornal Opção Online que nunca chegou a romper com o governador Marconi Perillo. “O meu problema é com alguns integrantes do governo de Marconi”, disse. 

O pré-candidato ao governo afirmou que não irá recusar nenhuma conversa para decidir o destino do Solidariedade, entretanto, a inciativa para conversações não irá partir dele. “Estou aberto para qualquer partido que queira conversar”, disse ao Jornal Opção Online. Armando Vergílio ainda disse que até semana que vem o destino do partido será decidido, e que a sigla possui dois novos projetos. “Mas não vou adiantar nada”, declarou.

Sobre o PMDB

O presidente do Solidariedade, acompanhando as movimentações dentro do PMDB, disse que se surpreendeu com a decisão de Júnior Friboi de ter retirado sua pré-candidatura, na quinta-feira (22) da última semana. “Mas não vou me surpreender se ele voltar”, contrapôs. Na semana que Júnior Friboi se retirou do cenário como pré-candidato, Armando sustenta que viu no empresário uma insatisfação imensa com o cenário dentro do PMDB. “Ele estava insatisfeito com a situação”, disse, e completou: “Mas esta semana eu percebi um interesse de Friboi de retornar à disputa.”

O deputado federal ainda afirmou que o peemedebista Iris Rezende, que também lançou sua pré-candidatura e retirou sob o discurso de que não queria que houvesse divisões no PMDB, não está observando o recado do partido para ele. “A maioria dos deputados e prefeitos está com Júnior.”

*Leia Mais
Solidariedade quer ir só, mas admite aliança com o PT

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.