Novo vídeo encontrado pela Polícia confirma estupro de adolescente no Rio de Janeiro

Material encontrado no celular de um dos envolvidos mostra a menor tentando resistir ao abuso. Pelo menos quatro homens estão comprovadamente ligados ao crime

Delegada já havia confirmado a existência de estupro: Desafio é descobrir quantas pessoas participaram do crime |  Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Delegada já havia confirmado a existência de estupro: Desafio é descobrir quantas pessoas participaram do crime | Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Um novo vídeo encontrado pela Polícia no celular de Raí de Souza, um dos suspeitos de participação do estupro coletivo de uma adolescente de 16 anos no Rio de Janeiro (RJ), comprova o que alguns ainda tentavam questionar: a jovem foi sim abusada sexualmente. No material, obtido pelo Fantástico, é possível inclusive ouvir a garota tentando resistir aos agressores e reclamando de dor.

Foi do celular de Raí que saiu o primeiro vídeo do caso, em que a garota aparece desacordada, sendo tocada por alguns homens que tiram sarro dela. Ao ser preso, ele declarou que havia destruído o aparelho, mas a Policia conseguiu encontrar o telefone e, nele, achou as provas do crime.

A própria delegada responsável pelo caso, Cristiana Bento, já havia declarado anteriormente que o crime estava provado e que a orientação da Polícia era descobrir quantos homens participaram do estupro. Na ocasião, ela explicou que a lei considera, desde 2009, que atos libidinosos, como os mostrados no primeiro vídeo, também são considerados crime.

Ainda segundo a denúncia, ela foi abusada pelo menos duas vezes em cerca de 30 horas. Até agora, quatro suspeitos já foram ligados comprovadamente ao caso: Raí de Souza, Lucas Perdomo, que seria namorado da vítima, um traficante conhecido como Canário e outro homem conhecido como Jefinho.

Não há confirmação sobre quantos homens efetivamente a estupraram ou participaram em algum nível dos crimes. Segundo a vítima, foram mais de trinta homens. Uma das argumentações da defesa é, no entanto, que quando o suspeito que gravou o vídeo menciona trinta homens, ele está, na verdade, fazendo uma alusão à letra de um funk.

Desde que o primeiro vídeo foi divulgado, a adolescente enfrenta todo tipo de questionamento, inclusive dos responsáveis pelo seu acolhimento como vítima. Cristiana, por exemplo, assumiu o caso porque o primeiro delegado encarregado, Alessandro Thiers, questionava a existência de crime e chegou a constrangê-la em depoimento, iniciando o interrogatório perguntando se ela costumava fazer sexo grupal.

Na semana passada, um grupo de moradores da favela organizou uma manifestação para negar os depoimentos da adolescente e dizer que não houve estupro. Em áudios encontrados também no celular de Raí, alguns contatos dele afirmam que, na verdade, foi o chefe do tráfico na comunidade quem ordenou que eles fizessem o protesto.

De acordo com a delegada, os envolvidos não só responderão por estupro como, também, pelo crime de produção e divulgação de imagens de sexo envolvendo menores de idade, prática vetada pelo Estatuto da Criança e do Adolescente. Atualmente, dois dos envolvidos estão presos, Raí de Sousa e Raphael Belo, que estariam no quarto no momento da divulgação do primeiro vídeo.

Os outros dois comprovadamente ligados ao crime, Moisés Lucena, conhecido como Canário, e Jefferson, o Jefinho, estão foragidos. Canário é traficante do morro da Barão e foi apontado por Raí como o autor do primeiro vídeo divulgado – inicialmente, ele confessou ter feito o vídeo, mas depois mudou seu depoimento e implicou o traficante no crime.

Jefinho foi o responsável por levar a vítima do local onde ela foi estuprada pela primeira vez para o chamado “abatedouro”, uma casa usada por traficantes da comunidade para manter relações sexuais. A adolescente também o reconheceu como o responsável por segurá-la enquanto ela era estuprada.

O jogador de futebol Lucas Perdomo, que atua no Boavista, chegou a ser detido na última semana por envolvimento no caso, foi liberado por falta de provas. Ele inclusive estava afastado desde o Campeonato Carioca por atrasos e faltas, e teve seu contrato suspenso ao ser ligado ao crime. Depois que foi solto, no entanto, foi readmitido e volta a treinar nesta segunda-feira (6/6).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.