Novo reajuste de IPTU/ITU, de 29%, já nasce derrotado. Base do prefeito não aceita alíquota

Tão logo foi apresentado pelo líder do governo, Carlos Soares (PT), aumento foi rechaçado pelos vereadores aliados

Novo líder do governo, Carlos Soares (PT), e prefeito Paulo Garcia | Fotos: Eduardo Nogueira / Fernando Leite

Novo líder do governo, Carlos Soares (PT), e prefeito Paulo Garcia | Fotos: Eduardo Nogueira / Fernando Leite

Novo líder do governo na Câmara de Goiânia, o vereador Carlos Soares (PT) afirmou ao Jornal Opção Online na manhã desta quarta-feira (17/12) que vai propor um projeto de emenda ao reajuste do IPTU/ITU reduzindo, mais uma vez, a alíquota.

De acordo com o petista, o aumento será de 29% para 2015 — ante os 39,8% proposto pela prefeitura na última semana. No entanto, a nova porcentagem não foi aceita pela base do prefeito Paulo Garcia (PT) e já nasce derrotada.

Após se reunir com alguns vereadores aliados, como Paulo Magalhães (SD), Célia Valadão, Clécio Alves, Izídio Alves, Denício Trindade (todos do PMDB), bem como Jorge do Hugo e Antônio Uchôa (ambos do PSL), Carlos Soares informou que não houve consenso e que os 29% não foram aceitos. “Liguei para o prefeito, informei que os vereadores não haviam aceitado… Vou propor os 29% de qualquer forma”, explicou.

Com a vitória de Anselmo Pereira (PSDB) para o próximo biênio à frente da Câmara Municipal de Goiânia, o Bloco Moderado está, oficialmente, de fora de qualquer negociação de reajuste de IPTU/ITU. O clima que ronda os corredores da Casa é de que, em 2014, não há chance de qualquer aumento ser aprovado.

Vale lembrar que o Paço e os vereadores que sobraram da base aliada do prefeito Paulo Garcia só tem até o dia 20 de dezembro para votar o projeto — o que deve, de fato, acontecer, mas, ao que tudo indica, sem sucesso.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.