Nova política de incentivos fiscais e desburocratização reforça industrialização do Estado

Para presidente da Adial, anúncio de saída de algumas empresas é pontual e fruto do momento econômico

Distrito Agroindustrial de Anápolis | Foto: divulgação

Ações promovidas pelo governo do estado para desburocratização e de incentivos fiscais agrada a classe empresarial. A constatação é do presidente da Associação Pró-Desenvolvimento Industrial do Estado de Goiás (ADIAL), Edwal Freitas Portilho, que aponta que o Estado é atrativo e competitivo para instalação de novas empresas, assim como investimento na ampliação das plantas industriais.

Somente neste ano de 2020 e em apenas um mês, a SIC atraiu 43 novas empresas para Goiás, com previsão de investimentos de R$ 1,3 bilhão e geração de cerca de 12 mil empregos, entre diretos e indiretos, além de atender 24 municípios. Esses investimentos privados é fruto da política de incentivos fiscais e segurança quanto ao apoio estatal para os setores industriais.  “Essa movimentação do governo é benéfica e necessária nesse momento. O estado tem o sétimo maior parque industrial. Temos a maior capacidade instalada e pronta para uma recuperada econômica mais célere”, diz Edwal Freitas.

Esse cenário de atração de novas empresas e amplo investimento reforça que Goiás segue forte no processo de industrialização. Nesse sentido, o presidente da Adial comenta que o anúncio da saída de algumas empresas, como o caso da Creme Mel, é algo pontual e fruto do atual cenário econômico. “Assim como Goiás outros estados também tentam atrair indústrias. No momento as empresas estão se readequando e quem tem operação em mais de um estado, está se ajustando. Mas isso não significa que Goiás é menos atrativo”, avalia.

Incentivos

O presidente da Adial elogia o pró-Goiás, projeto que chega para substituir o Fomentar e o Produzir, programas que contemplam hoje a política de incentivos fiscais do Estado. “O pro-Goias é simples, atrativo e de fácil aplicação”, diz Edwal Freitas. Segundo ele, o programa tem agradado os empresários. “Temos feito reuniões e discutido esse modelo de incentivo. Esse diálogo entre o governo e a classe empresarial está gerando bons frutos”, completou.

Edwal Freitas ainda aponta que ações de desburocratização de licenças também se tornou um forte atrativo para as empresas ampliarem suas operações ou se instalarem no estado. “Há outros movimentos, como trabalho da Codego para regularização fundiária dos distritos industriais que traz mais segurança para os empresários e é visto com bons olhos”, diz.

Empresa Mabel segue instalada em Goiás

Diferente do que que circulou em alguns sites, a PepsiCo, dona da indústria Mabel, não está fechando a fábrica instalada em Goiás. Em nota a assessoria de imprensa nega a informação e reforça que segue com operação na indústria instalada em Aparecida de Goiânia.

Nota na integra

A PepsiCo, dona da marca Mabel®, esclarece que notícias sobre a suposta saída de sua operação do estado de Goiás não são verdadeiras. A planta industrial na cidade de Aparecida de Goiânia, Grande Goiás, segue em operação, assim como as demais atividades de distribuição e vendas no estado. 
 
A companhia reitera que a região de Goiás é de extrema importância para os seus negócios, assim como a marca Mabel®, que nasceu no estado e fortaleceu sua presença em todo o país desde 2011, quando foi adquirida pela PepsiCo. Desde então, a empresa segue investindo no desenvolvimento da marca e nas suas operações, contribuindo para a geração de empregos na região”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.