“Ninguém está satisfeito, muito menos as empresas”, diz presidente do Setransp

Ele enumera, ainda, medidas para melhorar o transporte coletivo, com investimentos em corredores exclusivos na Capital

Foto: Fernando Leite/ Jornal Opção

Em conversa com o Jornal Opção, o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de Goiânia (Setransp), Adriano Rodrigues de Oliveira, afirmou que existem três temas necessários para se melhorar o transporte coletivo.

São eles: a priorização da infraestrutura, com a construção de corredores preferenciais para ônibus, “pois só assim compensará o uso do transporte coletivo ao individual”; buscar outras fontes de financiamento, que não seja somente a tarifa; e rever o modelo atual, para que todos os entes [Estado e municípios] se sintam envolvidos na questão.

Responsabilidade

Inicialmente, ele lembrou que o investimento em infraestrutura, como a construção de corredores preferenciais para ônibus é de responsabilidade do poder público. “Não temos ação nenhuma nesse sentido”, reforçou.

Adriano faz questão, ainda, de deixar claro que a categoria é defensora da priorização do transporte coletivo. Segundo ele, por se tratar de mobilidade em nível de região metropolitana, as prefeituras e o Estado são os responsáveis. “Sem os corredores, a condução demora mais e isso tira a atratividade do transporte coletivo”.

Além da necessidade de investimento na infraestrutura, Adriano defende, também em inovação, tecnologia e frota. “O problema é que com a queda de demanda e sem outras fontes de recursos para financiar, o próprio sistema fica impactado”, observa.

Crise

Ele afirma, também, que, atualmente, não só em Goiás, mas no País, o transporte público coletivo tem perdido a relevância para o individual. Além disso, ele cita que o usuário, sozinho, não consegue financiar esse segmento e, por isso, Estado e cidades precisam subsidiar – aborda a questão de outras fontes de financiamento.

“Temos percebido uma queda na demanda. E quanto menos gente pagando, mais caro fica o sistema. Além disso, é ruim para a cidade a migração para os transportes individuais, pois piora o trânsito”.

Transporte público coletivo

Já em relação ao envolvimento dos entes, Adriano lembra que o próprio nome é transporte público coletivo. “É operado por empresas, mas é público. Quem tem o poder de definir as questões estruturais é o poder público”.

Ele lembra que o sistema da região metropolitana abrange 18 municípios com tarifa única e que, mesmo que haja qualidade, funciona nesse sentido. “Se fosse só uma cidade, seria uma responsabilidade do município, mas como é metropolitana, tem que ser compartilhada por todas as cidades e pelo Estado”.

Por fim, ele lembra que a Assembleia, as Câmaras Municipais e a imprensa têm provocado discussões nesse sentido “e isso é muito importante”. “Ninguém hoje está satisfeito, começando pelo usuário. Mas as empresas também não estão. Amargam prejuízos sucessivos, muitas delas com dificuldades de sobrevivência”, finaliza.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Dalmy Pedro

…”muito menos as empresas”…pois que saiam então !! O Iris perdeu a chance de revolucionar o transporte coletivo de GYN, quando houve a renovação das concessões e ele em conluio com a máfia que já dominava, veio com um edital tendencioso, que praticamente inviabilizava o interesse de novas empresas. Bora abrir esse mercado, e possibilitar que empresas de fora possam vir atuar, inclusive as de capital estrangeiro !!