Nomeado pelo Papa Francisco no domingo, Dom Paulo Cezar Costa falou sobre política, meio ambiente, pandemia e guerra

Um dos novos cardeais anunciados pelo Papa Francisco, o arcebispo metropolitano da Arquidiocese de Brasília, dom Paulo Cezar Costa, falou sobre sua trajetória religiosa e mostrou preocupação com problemas sociais. Na quarta-feira (1º), o religioso relembrou os anos de serviço prestado à Igreja e comentou sobre política, meio ambiente, pandemia e guerra.

“O mundo passa por grandes problemas, o mundo está vivendo uma guerra e outros conflitos. Essa guerra já afetou todos nós, que já estamos saindo de um tempo difícil de pandemia”, disse o religioso em referência ao conflito entre Ucrânia e Rússia e à pandemia de Covid-19. “Ninguém esperava que no fim de uma pandemia fosse ter uma guerra”, completou.

Para o novo cardeal, a Igreja Católica tem o papel de olhar para os “mais necessitados”. “Como cardeal, eu posso servir, mas que a nossa sociedade possa ser cada vez mais uma sociedade de servidor e servidora, de homens e mulheres que olham para o bem do nosso povo, que estão atentos principalmente aos últimos, aos mais necessitados”, afirmou.

Dom Paulo Cezar Costa também fez um apelo aos políticos e pediu para que pensem mais no povo e menos nas ideologias. “Oxalá nossos políticos, ao invés de ficar discutindo ideologia, discutam verdadeiramente o bem do nosso amado povo. Olhem para os problemas reais da vida do nosso povo, os reais problemas da vida da sociedade brasileira”, pediu. “Oxalá esta eleição que nós temos pela frente não seja tanto de discussões ideológicas, mas seja de olhar os reais problemas do nosso povo, os reais problemas da sociedade brasileira. E apresentarem propostas concretas”, afirmou.

O anúncio dos novos cardeais foi feito pelo Papa Francisco no domingo, 29 de maio. Ao todo, foram 16 anunciados. Além de Dom Paulo Cezar, outro brasileiro estava na lista:  Dom Leonardo Steiner, de Manaus, o primeiro representante da Amazônia brasileira. O arcebispo de Brasília destacou que o meio ambiente é uma agenda importante da Igreja.

“É um olhar especial [do papa] para aquela grande parte latino-americana, é um olhar especial dele para com a Amazônia”, pontuou. “Ele publicou o documento ‘Querida Amazônia’, no qual fala dos sonhos ecológico, social, cultural e religioso. Ele quer que a igreja ali seja evangelizadora, missionária. Quer que a ecologia seja preservada”, completou.

“Eu sempre quis, na minha vida, ser um servidor”

Arcebispo de Brasília desde dezembro de 2020, Dom Paulo Cezar Costa nasceu em Valença, no estado do Rio de Janeiro, em 20 de julho de 1967. Como ele tem menos de 80 anos, ele deve participar da eleição de um novo papa.

Os cardeais assessoram diretamente o papa em questões administrativas e econômicas. De acordo com Dom Paulo Cezar Costa, eles têm a missão de ajudar o Papa no governo da igreja e servir o povo. “Eu sempre quis, na minha vida, ser um servidor. Eu me tornei padre por vocação”, ressaltou.

Sobre o anúncio, Dom Paulo Cezar Costa afirmou que foi pego de surpresa enquanto assistia a um programa religioso na televisão. “A notícia chegou quando eu estava assistindo Angelus. No domingo pela manhã, quando levanto, logo ligo a Rai”, disse. “No final o papa leu a lista dos novos cardeais e, do Brasil, estava e eu”, relembrou. “A emoção é muito grande. Uma mistura de sentimentos”, completou.