Nigerianas sequestradas em junho pelo Boko Haram conseguem fugir

Jovens e crianças escaparam quando os rebeldes islâmicos saíram para mais um ataque. Outras 200 pessoas seguem em domínio do grupo, acusado de estupro e recrutamento de crianças 

Imagens de vídeo divulgado pelo Boko Haram após o sequestro das nigerianas | Foto: Reprodução  AFP

Imagens de vídeo divulgado pelo Boko Haram após o sequestro das nigerianas | Foto: Reprodução AFP

Sessenta e três das 68 jovens sequestradas em junho último por rebeldes islâmicos do Boko Haram conseguiram fugir no domingo (6/7) quando seus sequestradores saíram para atacar uma base militar perto do distrito de Damboa, na Nigéria. A informação foi repassada à imprensa internacional pelo miliciano Abbas Gava, representante das milícias locais do Estado de Borno.

“Acabo de receber um alerta da parte de meus companheiros do distrito de Damboa sobre a volta para casa de 63 mulheres e jovens sequestradas”, disse ele. A informação foi confirmada posteriormente à agência de notícias France Press por uma autoridade de alta patente em Maiduguri, capital de Borno.

“Em um gesto de coragem, no momento em que os sequestradores estavam ausentes para realizar uma operação, as jovens escaparam”, considerou a autoridade, que pediu para ter a identidade mantida em sigilo.

Estima-se que outras 200 estudantes raptadas em abril permaneçam em poder dos rebeldes. Os sequestros ocorrem em meados de junho em meio a uma série de ataques do Boko Haram contra a localidade de Kummabza, no estado de Borno. À época, o grupo rebelde matou mais de 30 pessoas e capturou mulheres, em sua maioria jovens estudantes.

Há denúncia de estupros cometidos contra elas pelos rebeldes, sendo que ainda em 2013 um relatório da organização Human Rights Watch já denunciava a ocorrência de sequestros e estupros de mulheres e meninas cometidos pelo grupo. Existem também denúncias de recrutamento forçado de crianças.

O Boko Haram deixou milhares de mortos na Nigéria desde 2009.

*Com informações de agências de notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.