“Não vai mudar nada”, diz Mansueto sobre ajuste fiscal após sua saída do governo

Atual secretário do Tesouro Nacional afirma que garantia de que o ajuste vai acontecer é a Constituição

Após sinalizar sua saída do cargo de secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida afirmou nesta segunda-feira, 15, que o ajuste fiscal pelo qual o Brasil passa não está em perigo. “Vou ficar aqui até o fim de julho, e não vai mudar nada no ajuste fiscal, que vai depender da direção do presidente, com seu Ministério da Economia e com o Congresso Nacional”, declarou à Globo News.

Segundo Mansueto, sair foi uma decisão difícil. “Eu já vinha pensando em deixar o governo. Estou no ministério há quatro anos e queria fazer isso da forma mais tranquila possível”, argumentou ao negar que a insatisfação com a explosão do gasto público durante a pandemia e a aproximação do governo com o Centrão, o que poderia prejudicar o ajuste fiscal, seriam as causas de sua saída.

De acordo com Almeida, ajuste fiscal em qualquer lugar do mundo depende tanto do presidente quanto do Congresso Nacional. “Se não quisermos cortar despesa, precisamos fazer um ajuste mais forte, com aumento da carga tributária, e ninguém quer isso”, ponderou.

“A garantia de que o ajuste vai acontecer é basicamente a Constituição. Então, para o governo não cumprir o teto de gasto em 2021, teria que mudar a Constituição. Se o governo não fizer mudança alguma, está garantido o cumprimento do teto de gastos, essa âncora fiscal que nos levou ao juros tão baixo. O que precisa discutir nos próximos anos é como aprofundar o ajuste fiscal. Que não vai terminar neste governo”,

Brasil vai sair deste ano com a uma dívida muito maior, de cerca de 94% do PIB

Por fim, o secretário reconheceu que o país terá um aumento em sua dívida pública neste ano, em decorrência da pandemia, mas se disse otimista em controlá-la. “De fato, o Brasil vai sair deste ano com a uma dívida muito maior, de cerca de 94% do PIB. Como resolver isso? Primeiro, fazendo as reformas necessárias, a administrativa, a tributária”, defende.

“Com a economia melhorando, o PIB vai aumentar, e a proporção com a divida vai melhorar. E dá para conciliar com uma melhoraria em gasto social, como expandir o Bolsa Família, que é um programa muito bom e muito barato. Então, tem espaço, sim, para aumentar o gasto social e aprofundar o ajuste”, avaliou.

Sobre o próximo secretário, Mansueto afirmou que espera que seja alguém que continue o diálogo com o Congresso Nacional, para conseguir a aprovação das reformas necessárias e mantenha o ajuste. (Com informações da Exame)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.