Filiado ao PP, deputado federal não encontrou espaço para viabilizar candidatura considerada forte

Com foco na reeleição a uma cadeira na Câmara Federal, o deputado federal José Nelto passou por algumas idas e vindas no Podemos, onde perdeu o comando da legenda, antes de se filiar ao PP. A mudança enfim ocorreu, segundo ele, em razão da busca por uma chapa mais competitiva para a corrida eleitoral, situação que ele diz não ter encontrado dentro do antigo partido. “Não tinha como formar chapa porque hoje onde tem um parlamentar ninguém mais quer se filiar”, aponta.

Após perder o comando do Podemos para Vilmar Mariano (filiado ao Patriota, seguindo o pré-candidato ao governo Gustavo Mendanha), José Nelto moveu esforços para tentar retomar o poder na chapa, agora sob comando do primeiro secretário do partido e presidente do Departamento Estadual de Trânsito de Goiás (Detran-GO), Eduardo Machado. A estratégia porém, chegou ao fim depois que Nelto julgou que não teria condições de formar uma candidatura que viabilizasse a reeleição dele. “Hoje você tem que banca a sua [candidatura] e mais 17 laranjas que podem desistir e abandonar o barco. Não vou enfrentar uma campanha assim”, explica.

Segundo o deputado, no atual cenário político não há interesse de novos postulantes a vagas de parlamentares em compor chapas com já eleitos, visto que isso poderia diminuir suas chances de vitória. Agora, então, diz ter encontrado melhores condições dentro do PP, que trabalha para eleger um mínimo de três deputados federais e de três a quatro estaduais. Além disso, o partido também pretende conquistar uma vaga no Senado.

“Fui convidado pelo Alexandre Baldy, Ciro Nogueira e Arthur Lira para me filiar. Temos uma relação excelente dentro do partido, agora estou num grupo que já tem uma chapa consistente e vamos chamar ainda mais partidos para a candidatura de Baldy, ao Senado”. O nome de Alexandre Baldy é um dos ventilados para composição da chapa do governador Ronaldo Caiado.