“Não se deve fazer política pública de saúde sem validação científica”, diz Ismael Alexandrino

Em entrevista ao Jornal Opção, transmitida por live, secretário de saúde pontou medidas adotas pelo estado para conter pandemia

Ismael Alexandrino, secretário de Estado da Sáude | Foto: Fabio Costa

O secretário de estado de Saúde de Goiás, Ismael Alexandrino, assumiu a pasta no início do governo Ronaldo Caiado (DEM) e passa pelo maior desafio sanitário dos últimos 100 anos: a pandemia de Covid-19. Em entrevista ao Jornal Opção, transmitida em live na tarde deste sábado, 4, ele pontuou as ações do estado para conter a doença.

Ismael salientou que a estrutura de saúde expandiu de forma significativa, sobretudo com a criação de Unidades de Tratamento Intensivo (UTI) em todas as macrorregiões do estado. Foram mais de 450 leitos abertos, boa parte de UTI. Além de contratação de mais 1900 pessoas e compra de aparelhos e 4 milhões de Equipamentos de Proteção Individual.

A preparação do governo, segundo o secretário era para a forte pressão que virá a partir de julho, e já era prevista. Não somente da capital, mas da interiorização da Covid-19 no estado.

“Esse discurso de que nada foi feito, não é fidedigno. Fizemos muito. Para a estrutura estadual investimos mais de R$ 250 milhões, mandamos EPI para os municípios, compramos ventiladores, direto da fábrica. Do ponto de vista de estruturação o que precisa ser feito, foi. Agora é preciso fazer também a questão comportamental”, aponta.

Chegar ao número de 2 mil leitos de UTI público é impossível chegar em pequeno intervalo de tempo, de acordo com o secretário. Esse número é apontado por estudo da Universidade Federal de Goiás (UFG) como ideal para tratamento dos goianos durante a pandemia.

Isolamento

Sobre o isolamento 14 x 14 proposto pela UFG, Ismael salienta que se não houver adoção em massa pode perder a eficácia. No entanto, reafirma que os municípios têm autonomia para adotar ou não as medidas sugeridas pelo decreto assinado pelo governador na última semana.

“Temos a oportunidade de adotarmos medidas para diminuição do número de óbitos e infectados através de medidas não contidas no estudo da UFG. Como, por exemplo, o uso correto da máscara, álcool gel e outra medidas sanitárias individuais”, aponta. “São atenuantes muito válidos além do isolamento social”, continua.

Ismael reforça que é preciso cuidar da saúde dos trabalhadores para que a economia possa se recuperar de maneira mais rápida possível. O secretário lembra que outros países, que adotaram medidas de distanciamento social, conseguem recuperação econômica de forma mais rápida.

Remédios

Sobre protocolo do tratamento da doença, Ismael afirma que só é possível adotar um protocolo único quando há sabidamente, reconhecido pela ciência, o comportamento da doença e os medicamentos que a curam. Por enquanto, ainda não há nem um nem outro.

Entretanto, a SES utiliza nos hospitais medicamentos dexametazona, corticoide que tem atividade antiinflamatória, e evitam o deslanchar da doença. Ismael critica a adoção indiscriminada e baseada em paixões, sem critérios científicos, de medicamentos.

“Quando está no campo das pesquisa precisamos avaliar caso a caso, sem prescrever de forma indiscriminada. Não se deve fazer política pública de saúde sem validação científica. De forma apaixonada. Precisamos ter equilibrio e que o médico tenha autonomia para prescrever. Ele não pode vender uma falsa esperança. É preciso ter transparência”, diz.

Confira a live completa no Instagram do Jornal Opção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.