“Não podemos ser cobaias”, diz presidente do Sindilojas sobre escalonamento no trânsito de Goiânia

Prefeitura propõe uma alternância nos horários de abertura de comércios, escolas e outros para desafogar trânsito. Comércio teme prejuízos

"Não podemos ser cobaias", diz presidente do Sindilojas sobre escalonamento no trânsito de Goiânia
Presidente do Sindicato do Comércio Varejista do Estado de Goiás (Sindilojas), Eduardo Gomes dos Santos, em entrevista ao Jornal Opção I Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

A Prefeitura de Goiânia pretende promover alterações no horário de funcionamento de escolas municipais e particulares, órgãos públicos, indústrias e comércio. O objetivo da proposta é desafogar o trânsito na Capital por meio do escalonamento de horários.

A minuta do texto encontra-se, atualmente, com técnicos da Secretaria Municipal de Planejamento e Habitação (Seplanh), e tem o intuito de promover maior fluidez nas vias, já que, com menos veículos não haverá mais um horário de pico na cidade.

Como parte das discussões, será realizada nesta segunda-feira, 6, uma audiência pública na Câmara de Vereadores com objetivo de entender os detalhes do projeto, com a participação do Sindicato do Comércio Varejista no Estado de Goiás (Sindilojas-GO).

“Não pode haver imposição”

O presidente do Sindilojas-GO, Eduardo Gomes, falou ao Jornal Opção que irão apoiar o que for melhor para os empresários, que, segundo ele, são os mais interessados no assunto. “Não pode haver uma imposição, tudo tem que ser bem discutido”, afirmou.

De acordo com o presidente, as mudanças deveriam começar pelas repartições públicas, e depois se estenderem aos comércios, se for o caso. Eduardo alega, ainda, que a situação das escolas é mais complicada, tendo em vista que já possuem um planejamento até o fim do ano.

O presidente reforça que existem particularidades em cada setor, e citou os comércios da Avenida Castelo Branco, “a maior parte dos comerciantes dessa região são agricultores e pecuaristas, eles acordam cedo, não faz sentido que essas lojas abram às 9h, por exemplo”.

Eduardo afirmou, ainda, que a reunião na Câmara servirá mais para ouvir do que falar: “O objetivo é entender melhor a proposta, não podemos ser cobaias de uma situação tão complexa como esta, não sabemos se o escalonamento já foi implantado em outros lugares e obteve resultado”.

O presidente reitera que, de fato, precisam ser feitas intervenções no trânsito de Goiânia, já que a tendência é que o fluxo de veículos só aumente. Entretanto, não estão seguros de que o escalonamento de horários seja a melhor opção, mas garante que o sindicato está aberto a ouvir as propostas.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.