Secretário da Segurança Pública do Estado de Goiás, afirma que não faz perseguição e sim um trabalho de recuperação do sistema de segurança que estava totalmente sucateado

Secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

O secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda, diz que apoiado pelo Ministério Público e Poder Judiciário está investigando problemas nas gestões anteriores e que há indícios gravíssimos de cometimento de crime nas gestões que anteriores. Mas ressalta que, não faz parte do seu modo de trabalhar perseguir ninguém e que não faz uso das forças policiais para esse suposto fim. Rodney, aliás, sinalizou que essa pode ser uma tentativa do ex-governador, Marconi Perillo de desviar o foco da verdade.

Em contrapartida, ele afirmar que não manipula números e que trabalha para recuperar e melhorar a pasta. “Pegamos promoções atrasadas e outra série de problemas que estamos trabalhando para resolver”. A frente da Segurança do Estado, ele extinguiu categorias, ajustou salários, promoveu 1.985 policiais militares e diminuiu os índices de violência no Estado nos últimos dois anos. “Tinha militar ganhando menos de R$ 2 mil, como motivar um profissional com este salário”, rebateu. Ele ainda afirma que falta incluir a Polícia Penal no rol de promoções, mas que há um cronograma para isso.

Além da preocupação com a corporação, neste sábado, 5, foi divulgada a transferência de mais de mil detentos da Penitenciária Odenir Guimarães (POG) para reforma e ampliação da unidade prisional. “Com 20 anos do governo passado, ninguém enfrentou esse problema. Foram várias rebeliões, vários tipos de desafios que as forças de segurança tentaram resolver, sem apoio nenhum. Hoje estamos dando solução para esse problema”, resume. Sem contar com o salário, promoção e apoio, Miranda afirma que motivado, o policial goiano, independente de qual corporação que faça parte tem liberdade e motivação para trabalhar. (Com informações da Rádio Sagres)