Na Fecomércio, Zé Eliton defende diálogo constante com os setores produtivos

Governador reuniu-se nesta quinta-feira (23) com filiados a sindicatos e associações empresariais do setor do comércio no estado

Foto: Divulgação

O governador e candidato à reeleição, José Eliton, da coligação Goiás Avança Mais, reuniu-se nesta quinta-feira (23/8) com filiados a sindicatos e associações empresariais do setor do comércio no estado. “Ninguém é dono da razão e ninguém governa sozinho”, disse na ocasião.

De acordo com José Eliton, que estava acompanhado da senadora e candidata à reeleição Lúcia Vânia (PSB) e de concorrentes à Câmara Federal e Assembleia Legislativa, afirmou que olhar para  futuro implica ter uma “visão clara” e um “projeto modernizante”, construído em meio a um diálogo “franco e aberto” com o setores produtivos.

À plateia de empresários, ele disse que é preciso ter clareza para entender que a dinâmica social, a partir dos avanços advindos com a Constituição de 1988, mudou e “é preciso entender as novas relações sociais”.

Nos últimos anos, Goiás avançou significativamente nos indicadores sociais e no desenvolvimento sustentável, com destaque para a Educação, Segurança Pública, Comércio Exterior, Saúde, emprego, renda e geração de oportunidades. Isso se deu por meio de programas de inclusão social e uma política agressiva de atração de novos investimentos, fundamental para que o PIB do Estado saltasse de R$ 17 bilhões, em 1998, para quase R$ 200 bilhões nos dias atuais.

Na fala aos empresários, José Eliton citou Adam Smith, filósofo e economista britânico nascido na Escócia, considerado o pai da economia moderna, e o mais importante teórico do liberalismo econômico. Para ele, é importante enfatizar que o estado deve estar presente nas “atividades finalísticas” e se pautar por um “diálogo constante” com o setor produtivo.

“Evidentemente, que em algum momento vamos ter visões distintas, mas o diálogo deve sempre prevalecer”, reforçou. O candidato disse, concordando com a visão de Adam Smith, que não consegue imaginar um “estado tutor”, mas um estado “fomentador” de políticas públicas.

O governador Também enfatizou que em Goiás há “segurança jurídica”, o que permite um ambiente adequado para investimentos, não apenas públicos, mas privados. “Quando falo em ambiente não é apenas no ponto de vista econômico, é qualificação de mão de obra, capacitação de educadores, execução de projetos de infraestrutura”, explicou.

Para José Eliton, o mais importante é haver equilíbrio entre as agendas – do governo e do setor produtivo. “É importante criar um ambiente de consenso entre indústria e comércio”, defendeu, ao falar da relação do Fórum Empresarial com as ações de governo.

Por fim, o candidato defendeu o aprofundamento do atual modelo de diversificação econômica e de garantia de competitividade à economia goiana, com apoio às cadeias produtivas e, especificamente na área do comércio, de fortalecimento às micro e pequenas empresas, segundo ele as maiores geradoras de emprego e renda no Brasil.

O encontrou reuniu o presidente da Fecomércio, Marcelo Baiocchi, que estava acompanhado da diretoria, o presidente do Sistema Sesc/Senai, Leopoldo Veiga, e empresários filiados às entidades ligadas ao segmento do comércio no estado.

Deixe um comentário