Na CEI da Herança, secretário de Finanças nega ter mentido sobre contas da prefeitura

Oséias Pacheco disse que administração Iris Rezende (PMDB) tem dinheiro em caixa e dívidas da ordem de R$ 600 milhões

Para membros da CEI, algumas questões ficaram sem respostas. Por isso, Kajuru (à esq.) solicitou uma série de documentações ao secretário | Foto: Marcelo Vale

O secretário de Finanças da Prefeitura de Goiânia, Oséias Pacheco, depôs, nesta segunda-feira (22/5), na Comissão Especial de Inquérito (CEI) da Herança, que que investiga as contas públicas da Prefeitura de Goiânia nos últimos oito anos. Ele foi convocado depois que o último depoente, o ex-secretário de Finanças Cairo Peixoto, disse que ele não estava expondo a real situação das contas da prefeitura, o que poderia ser configurado como crime de prevaricação.

Sobre a acusação, Oséias garantiu não ter mentido e disse que prestará contas no prazo legal, ou seja, até o final de maio. Segundo ele, a prefeitura realmente tem dinheiro em caixa – em torno de R$ 167 milhões -, mas tem também dívidas de cerca de R$ 600 milhões. Ainda sobre a arrecadação, o secretário disse que a arrecadação com o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e com o Imposto Territorial Urbano (ITU) está na casa dos R$ 700 milhões.

Ele disse ainda que a prioridade do prefeito Iris Rezende (PMDB) é pagar a folha de pagamento e que, por isso, os investimentos em obras ainda são tímidos: “As prioridades do prefeito são claras: Eu não gasto nada enquanto eu não consigo honrar a folha bruta do mês. Então eu vou arrecadando, para que a gente possa saber, no final do mês, o que sobra para absorver outras despesas da administração”.

Para o vereador e presidente da CEI, Zander Fábio (PEN), o secretário não soube resolver com precisão as perguntas dos parlamentares. Ele citou, por exemplo, o custo da horta feita pela primeira-dama Dona Íris (PMDB) no Paço Municipal, algo que já havia sido perguntado a ele quando ele deu esclarecimentos, na Câmara, sobre a denúncia de que Iris estava contingenciando recursos em vez de prestar serviços à população. Mais uma vez, Oséias não soube informar os valores.

Como o secretário não respondeu com exatidão algumas das perguntas, o vereador e relator da CEI, Jorge Kajuru (PRP) pediu que ele fornecesse à CEI uma série de relatórios sobre dívidas e credores, débitos com o Instituto Instituto de Assistência à Saúde e Social dos Servidores Municipais (Imas), taxa de recebimento de tributos, consignações e contrapartidas não pagas e o valor da folha de pagamento dos servidores municipais e da Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg).

A próxima reunião da CEI será na segunda-feira (29/5), em virtude do feriado na quarta-feira (24). Segundo Zander, será realizada, na oportunidade, a acareação entre o atual e o ex-secretário de Planejamento, Sebastião Ferreira Leite, o Juruna, e Agenor Mariano (PMDB).

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.