Na base da “moedinha”, filme sobre Padre Pelágio retomará gravações

Com texto adaptado e valorizando a história de um dos maiores nomes da religião em Goiás, a obra vem sendo elogiada nas redes sociais e por plateias

Elenco do filme sobre Padre Pelágio, que promete movimentar a cidade do Pai Eterno nos próximos meses | Foto: Divulgação

FÁBIO PH
Especial para o Jornal Opção

A produtora Yela Filmes, há 34 anos em Goiás, apoiada em logística pela Pre­feitura de Trindade na gestão de Jânio Darrot (PSDB), está fazendo um filme de época, à custa de pequenas doações. Os recursos são parcos. Isso expulsa a soberba, mas está colaborando com a máxima do “quem quer fazer e sabe fazer faz com o que tem”.

A realidade financeira do projeto é diferente da ideia, que é rica e muito nobre. Conta aos ha­bitantes deste tempo sobre a vida de Padre Pelágio Sauter, que vi­veu por 47 anos em terras goianas. Alemão, venerado pelo Papa Fran­cisco, Pelágio está na lista dos religiosos mais benevolentes do Brasil e é dono de muitos contos sobre milagres e devotos no País.

Com texto adaptado, valorizando a narrativa e a história – baseada em livros escritos por padres e entrevistas com pessoas que conviveram com Pelágio –, a obra é elogiada nas redes sociais e por plateias, quando da exibição de trailers do que já foi realizado.

Com técnicos especializados e elenco voluntário com integrantes muito bem treinados, direção, texto e atuação protagonista de Geraldo Fábio de Assunção – “Geraldão” nas horas de luta e Fábio PH nas horas de arte –, o conjunto mostra uma boa pegada cinematográfica.

Geraldão e turma voltarão ao set de filmagem no mês de junho. Serão gravadas mais três sequências, já ensaiadas. Na programação, o Cer­rado goiano, por onde o padre percorria, geralmente em uma mula, vi­si­tando currutelas e camponeses, as­sistindo aos pobres e enfermos, mi­nistrando os ritos da igreja e promovendo a Romaria do Divino Pai Eterno.

Também serão gravados um assédio sexual a Pelágio e uma corajosa participação do alemão, quando consegue expulsar o demônio do corpo de um rapaz, surtado, bêbado e com uma faca em punho. Papéis vividos e destaques para as atuações de Milena Pires, na sequência do assédio, e de Wenderson Morais, no surto. A fotografia é de Francisco Paco.

Destaque para a prestação de contas do filme e a foto de uma ur­na colocada na Igreja do San­tíssimo Redentor, em Trindade, uma das maiores fontes de receita do longa-metragem. No mesmo local, são vendidas camisetas. Quanto a buscar recursos públicos, o diretor disse estar se sentindo à vontade, sem ter de se expor e que não gosta de estar preso aos regulamentos impostos nos editais. l

Deixe um comentário