Na Assembleia, manifestantes protestam contra Temer, Caiado e reformas

Na véspera do Dia Internacional da Mulher, ato pede mais políticas de combate ao feminicídio, e faz ataques à reforma da Previdência e ao senador goiano

Este slideshow necessita de JavaScript.

Larissa Quixabeira e Marcelo Mariano

Dezenas de mulheres ocupam nesta quarta-feira (7/3) a sede da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), no setor Oeste, em protesto contra a agenda de reformas do governo federal e pela conscientização dos direitos das mulheres.

O ato, que também comemora o Dia Internacional das Mulheres — 8 de março, próxima quinta-feira — tem a participação de diversos movimentos rurais e trabalhistas, como a Central Única dos Trabalhadores de Goiás (CUT-Goiás), Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e Movimento Camponês Popular (MCP), entre outros.

Uma representante do MCP, Sandra Alves, disse em entrevista ao Jornal Opção que a principal reivindicação do protesto são medidas de combate à violência contra a mulher. “Goiás é o segundo do país em índices de feminicídio. Precisamos de políticas públicas para aplacar esse problema. A proteção à mulher do campo, por exemplo, é quase inexistente. Precisamos de mais delegacias especializadas e de mais campanhas de conscientização”, opinou.

Faixas espalhadas do lado de fora da Casa Legislativa também criticam as reformas do governo do presidente Michel Temer (MDB), em especial a da Previdência, ainda em tramitação no Congresso. Outro alvo de críticas foi o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), pré candidato ao governo de Goiás e hoje à frente das pesquisas.

“As críticas a esses políticos são por motivos claros. As reformas do Temer estão prejudicando a sociedade de maneira geral e essa da Previdência, prejudica especialmente as mulheres ao desconsiderar a questão de gênero. Quanto ao Ronaldo Caiado, sabemos que é um ruralista conservador e com a candidatura dele ao Governo de Goiás, só temos a perder e a retroceder por tudo que ele propõe e tudo que ele representa”, afirmou.

O movimento pretende realizar uma série de intervenções, oficinas, palestras e panfletagens ao longo desta quarta-feira (7) e manter a ocupação até a próxima quinta-feira, dia 8 de março. No Dia Internacional da Mulher, será realizada uma marcha com concentração em frente à Assembleia, às 9 horas, prevista para seguir pela Avenida Anhanguera, no Centro de Goiânia.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.