Mulheres com idade acima de 42 possuem menos de 5% de chance de dar à luz, diz estudo

Conforme avanço da idade, mulheres com pretensões de engravidar devem ficar atentas

Segundo estudo, 53,6% das mulheres acima de 42 anos precisam de óvulos doados / Foto: Reprodução

Um estudo publicado em 2019 pela Rede Latino-Americana de Reprodução Assistida (Redlara) aponta um fato significativo no que concerne à maternidade. Conforme a instituição, mulheres acima de 42 anos que tentam engravidar com óvulos próprios têm menos de 5% de chances de dar à luz.

De acordo com os dados da Redlara, uma instituição científica e educacional que agrupa mais de 90% dos centros que realizam técnicas de reprodução assistida na América Latina, que foram coletados em clínicas de reprodução assistida na América Latina, 53,6% das mulheres acima de 42 anos precisam de óvulos doados. O estudo revela que quanto mais cedo o tratamento é realizado, mais alta é a chance da mulher engravidar. Isso porque, com o passar dos anos, a quantidade e a qualidade dos óvulos diminuem.

A presidente da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA), Hitomi Nakagawa, esclarece que, devido a esse fator, pacientes têm recorrido à recepção de óvulos de doadoras anônimas com idade até 35 anos. “Por estar usando o óvulo de uma mulher mais jovem, não importa sua idade, ela vai ter as mesmas chances de engravidar que a doadora”, conta.

Para mulheres acima de 35 anos, o recomendado é avaliação com 6 meses de tentativas infrutíferas. Após esse período, conforme recomenda a SBRA, o indicado é que o casal procure um médico especialista para realizar exames e fazer uma investigação detalhada do problema a fim identificar as causas e o tratamento mais adequado.

Evolução das técnicas de reprodução assistida propiciam maior eficiência no procedimento

Conforme o levantamento da Redlara, o número de embriões utilizados nos tratamentos de reprodução assistida caiu ao longo dos anos. Uma vez que o usual era a transferência de mais de quatro embriões, aumentando o risco de gravidez múltipla, com a evolução das técnicas de reprodução assistida, as clínicas começaram a utilizar até dois embriões, mantendo a eficiência nos resultados.

Para Nakagawa, hoje, além dos cuidados com o embrião em laboratório terem evoluído, “a possibilidade de guardar embriões excedentes, de uma mesma coleta ovular, tem mitigado os desconfortáveis e longos ciclos de injeções diárias, ou seja, aumentou-se as chances de gestação por ciclo de estimulação ovariana”, explica.

A redução da quantidade de embriões transferidos nos procedimentos refletiu diretamente na ocorrência de partos duplos e triplos. Para se ter uma noção, em 2000, a proporção de partos triplos era de 7%. Já em 2016, o percentual foi de apenas 0,6%.

Os dados também revelam que mulheres entre 35 e 39 anos têm a mesma chance de engravidar, independentemente do número de embriões transferidos. Isso significa que o avanço dos tratamentos possibilita mais segurança e mais eficiência aos procedimentos realizados dentre mulheres com infertilidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.