Mulher que matou filha e escondeu corpo por cinco anos vai a júri popular

Márcia Zaccarelli será julgada pelos crimes de homicídio e omissão de cadáver com duas qualificadoras: motivo torpe e recurso que impossibilitou a defesa da vítima

Defesa pediu exame de insanidade, mas perícia não apontou problemas nem dependência em substâncias químicas | Foto: Aline Caê/ TJ-GO

A mulher que matou a própria filha e manteve o corpo escondido em um escaninho por cinco anos irá a júri popular, conforme decisão do juiz Eduardo Mascarenhas, da 1ª Vara Criminal de Goiânia. Ela será julgada pelos crimes de homicídio e omissão de cadáver com duas qualificadoras: motivo torpe e recurso que impossibilitou a defesa da vítima.

Segundo a denúncia feita pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO), Márcia Zaccarelli escondeu a gravidez de amigos e familiares.  A criança seria fruto de relacionamento extraconjugal e, como o então marido dela, Glaudson Costa, já havia feito vasectomia, não havia como dizer que era dele.

Em depoimento à polícia, Márcia afirmou que, logo depois de ter a criança, foi até uma praça no Setor Coimbra e a matou por asfixia. O corpo foi colocado em uma bolsa e levado por ela até seu apartamento no Setor Bueno, onde ela o guardou em sacos plásticos e caixas de papelão no escaninho da garagem.

O crime ocorreu em março de 2011, mas o cadáver só foi descoberto em agosto de 2016, pelo agora ex-marido, Glaudson, que voltou ao prédio para buscar objetos após o divórcio e estranhou o odor de uma das caixas. Ele chamou a polícia, que a prendeu. Desde então, ela é mantida preventivamente na prisão.

A defesa pediu para que fosse feito um exame de insanidade mental, mas a perícia não identificou nem transtornos psicológicos nem dependência química. A data do júri popular ainda não foi definida (Com informações no Tribunal de Justiça do Estado de Goiás).

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.