Mulher que arrancou próprio dente sugere que gestão Iris teria tentado comprá-la

Dona Celina contou que, durante visita da secretária da Saúde em sua casa, lhe ofereceram cestas básicas para não falar mal da prefeitura

CEI da Saúde durante reunião desta quarta-feira (6/12) | Foto: Wictoria Jhefany

A desempregada Dona Celina, que ficou famosa nacionalmente após contar que teve que arrancar o próprio dente por falta de atendimento odontológico, surpreendeu vereadores na manhã desta quarta-feira (6/12) durante participação na Comissão Especial de Inquérito (CEI) que investiga o caos na Saúde em Goiânia.

Em depoimento, a goianiense sugeriu que a gestão do prefeito Iris Rezende (PMDB) teria tentado comprar seu silêncio após o caso ganhar grande repercussão. Segundo ela, no último domingo (3), recebeu a visita da secretária da Saúde, Fátima Mrué, em uma comitiva composta por integrantes da pasta e veículos de comunicação. Antes de gravar entrevista, um homem, identificado como Carlinhos do Esporte (radialista da Rádio Terra FM), teria oferecido ajuda para que ela não falasse mal da prefeitura.

“Eles foram a minha casa, umas seis pessoas, tiraram fotos fizeram varias perguntas. Foram muito atenciosos perguntaram se eu precisava de alguma coisa. Me ofereceram três meses de cesta básica e eu aceitei porque pensei que era uma ajuda, nao imaginei que pudesse ser suborno. Depois no final ele me pediu que quando eu fosse dar entrevista que não falasse mal da secretária, que dissesse que ela foi a minha casa, que tentou me ajudar”, contou.

Apesar da conversa sobre a possível ajuda não ter tido participação efetiva da secretária, os parlamentares desconfiam que a situação foi “armada”, tanto que o suposto autor, Carlinhos do Esporte, era integrante da comitiva, como relatou a própria paciente. Ele, inclusive, foi convocado a depor à CEI da Saúde na próxima semana.

“Não interessa se ele é servidor do município ou não, o fato é que ele precisa prestar esclarecimentos pois foi quem fez a interlocução para a reunião com a secretária e, logo após, fez a proposta em um ato contínuo”, explicou Elias Vaz (PSB).

Os vereadores anunciaram ainda que vão denunciar a secretária Fátima Mrué, bem como todos os que a acompanharam na visita, por terem tentado oferecer benefícios indevidos, constrangendo e subornando uma vítima. A tese é de que ela seria uma testemunha em potencial para as investigações da comissão.

“Vários crimes ficaram configurados: o constrangimento ilegal, pois a colocaram em uma situação vexatória com essa visita; além de falso testemunho, pois a obrigaram, de forma indevida, oferecendo vantagens, a mentir, para inventar que foi bem tratada pela secretária. A meu ver, tentaram induzir de forma criminosa a testemunha a mentir nesta CEI. Queremos que seja instaurado um inquérito para a investigação”, garantiu o vereador Eduardo Prado (PV), que é delegado.

A Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra a Administração Pública (Dercap) já recepeu a denúncia e vai investigar a situação.

O caso

Dona Celina | Foto: Wictoria Jhefany

Há dez anos com problemas nos dentes — já perdeu quase todos –, Dona Celina buscou atendimento em uma Cais da capital, mas, por falta de insumos não conseguiu ter o problema resolvido. Desesperada, usou um alicate para arrancar o próprio dente. A situação é bem parecida com centenas de outros moradores que buscam o sistema público de Saúde. Nesta semana, a CEI da Saúde comprovou que há uma licitação para compra de materiais homologada, mas que não sai do papel pela inércia da gestão Iris.

Mesmo assim, a superintendente Luciana Curado teve a capacidade de dizer em depoimento na comissão que a mulher tinha o “hábito” de tirar dentes com a ferramenta há dez anos: “Não é algo que começou neste governo”. Em resposta, Dona Celina, emocionada, rebateu a fala: “Eu não sou insana, nem masoquista para arrancar meus próprios dentes. Quem faz isso? Foi um momento de desespero. Outras vezes arranquei porque já estava mole, fragmentados. Fui perdendo e já os tirava com a mão pois já não tinha jeito.
Desculpe estou muito emotiva.”

Resposta

Por meio de nota, a Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia (SMS) informou que está à disposição da paciente Celina Lopes Teixeira para todo o seu tratamento odontológico e para o tratamento de saúde que ela precisar.

A SMS esclareceu, ainda, que a atitude da secretária de Saúde, Fátima Mrué, em procurar pessoalmente a paciente para se inteirar da situação se deu devido à sua indignação com o ocorrido e na qualidade de profissional da área médica se solidarizou com o episódio.

Sobre a doação de alimentos, a SMS esclareceu que não faz parte de sua oferta de serviços. Por fim, embora reconheça deficiência no atendimento odontológico na Capital, a SMS informou que realizou 22 mil atendimentos odontológicos em 2017.

O Jornal Opção entrou em contato com Carlinhos do Esporte da Rádio Terra FM. Carlos Roberto da Rocha informou que participou da comitiva na condição de amigo pessoal da secretária Fátima Mrué e que ofereceu ajuda à Celina depois de ouvir dela o relato de que estaria passando necessidade.

Carlinhos disse ainda que há vários anos desenvolve projetos sociais em diversos bairros da capital e que a ajuda que ofereceu à Celina, nada tem a ver com a secretária ou com tentativa de suborno.

Ele classificou como “lamentável” o depoimento da paciente e disse que ainda não notificado sobre a convocação para a CEI. No entanto, disse que se for preciso, comparecerá à Câmara para dizer a verdade do que aconteceu.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.