Mulher encontra bilhete com pedido de ajuda em encomenda de site chinês

Sandra Miranda havia comprado uma blusa e quando abriu o pacote notou um papel com um pedido de socorro: “sou escravo, me ajude”

De acordo com dados da Organização das Nações Unidas (ONU), quase 30 milhões de pessoas são submetidas a esta prática | Foto: Reprodução / Twitter

De acordo com dados da Organização das Nações Unidas (ONU), quase 30 milhões de pessoas são submetidas a esta prática | Foto: Reprodução / Twitter

Um bilhete encontrado dentro de uma encomenda feita em um site chinês comoveu uma família da cidade de Águas Claras, no Distrito Federal, na última sexta-feira (23/10). Sandra Miranda havia comprado uma blusa e quando abriu o pacote notou um bilhete dizendo: “sou escravo, me ajude”.

Após encontrar o papel, a cliente tirou uma foto e encaminhou para sua filha, Raíssa Reis, que vive na capital de São Paulo. A jovem postou a foto nas redes sociais em tom de desabafo. “Meu coração se aperta e lágrimas descem ao ver que, do outro lado do mundo, neste exato momento, existe alguém sendo escravizado para confeccionar o produto que eu e você compramos. É um sentimento que não tem como descrever”, comentou.

A mensagem foi escrita na própria etiqueta da roupa adquirida por US$ 17.  Uma outra cliente, da Irlanda, também teria encontrado a mesma anotação em outra peça comprada no site.

Escravidão contemporânea

De acordo com o livro do jornalista, Bejamin Skinner, com o título “Um crime monstruoso: face a face com a moderna escravidão”, centenas de milhares, talvez milhões de pessoas se encontram em estado de escravidão. No livro, o jornalista ainda alerta sobre o tráfico de pessoas que ocorre com grande frequência em países da América Central e do México.

Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), quase 30 milhões de pessoas são submetidas a esta prática. No documento ainda consta que os líderes do ranking são Brasil, China e Índia.

Deixe um comentário