Mulher de Cabral deixa cadeia com aparência mais saudável e causa rebuliço

Adriana Ancelmo estava presa por participação em esquema de propina que desviou cerca de R$ 224 milhões. Agora, está em prisão domiciliar

Adriana Ancelmo chega em sua casa, no Leblon, onde vai cumprir prisão domiciliar, após quase quatro meses presa em Bangu | Foto: Vladimir Platonow / Agência Brasil

A ex-primeira dama do Rio de Janeiro, Adriana Ancelmo, deixou a prisão em Bangu (RJ) na última quarta-feira (29/3) para seguir para a prisão domiciliar. Além da polêmica em torno da flexibilização da sua pena, o fato de ela ter deixado a cadeia com uma aparência bem saudável chamou atenção nas redes sociais.

Apesar de estar presa desde dezembro, Adriana estava com a pele bonita e, como costuma acontecer com muitos presos, ela também estava mais magra. O fato de ela estar com boa aparência gerou piadas entre os protestantes que aguardavam sua chegada ao seu apartamento, onde chegou depois de passar menos de quatro meses presa.

Presa em dezembro de 2016 pela suspeita de ter participado junto do marido, o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB) de esquema de pagamento de propina que desviou R$ 224 milhões, Adriana é acusada de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

O argumento para justificar sua saída da prisão é de que ela é mãe de dois filhos menores de idade. Na prisão domiciliar, Adriana não pode ter contato com ninguém nem por telefone nem por internet, além de não poder sair de seu apartamento no Leblon, um dos bairros de classe alta do Rio de Janeiro (RJ).

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Cesar

Se todas as mulheres dos estados do Brasil são presas e depois alegam que tem filhos menores , nenhuma delas cumprem a pena nos presídios, tendo uma regalia presa em casa, uma pena deliciosa vcs não acham? Isso que aconteceu já é uma jurisprudência para as próximas, sem contar com as grávidas e com seus recém nascidos.