MPGO oferece a 15ª denúncia contra João de Deus por crimes sexuais envolve oito vítimas

A Justiça já havia recebido outras 14 denúncias contra João Teixeira de Faria por crimes sexuais. Em três, já houve condenação

João Teixeira de Faria (João de Deus) foi denunciado pela 15ª vez, pelo Ministério Público de Goiás (MPGO), na tarde desta sexta-feira, 13, pela prática de crimes sexuais. Desta vez, por estupro de vulnerável, envolvendo oito mulheres. Os crimes aconteceram na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia.

A denúncia, oferecida pela Promotoria de Justiça de Abadiânia, relaciona outras 44 vítimas, mas, em razão de os crimes estarem prescritos ou ter decaído o direito de representação da ofendida, elas figuraram como testemunhas, notadamente para reforçar a forma de agir do denunciado.

Segundo apontam os promotores de Justiça, os crimes da 15ª denúncia aconteceram entre 1986 e 2017, sendo as vítimas dos Estados de Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Maranhão, Goiás, Santa Catarina, Mato Grosso e Espírito Santo. O promotor de Justiça Luciano Miranda esclarece que, entre as provas apresentadas, estão relatos e testemunhos.

A força-tarefa, coordenada pelo promotor de Justiça Luciano Miranda Meireles, montada pelo MPGO no fim de 2018 para apurar os crimes praticados por João Teixeira de Faria, que vieram à tona após reportagem exibida no programa de televisão Conversa com Bial, da Rede Globo. Da investigação participaram também os promotores de Justiça Paulo Eduardo Penna Prado, Gabriella de Queiroz Clementino e Renata Caroliny Ribeiro e Silva.

A Justiça já havia recebido outras 14 denúncias contra João Teixeira de Faria por crimes sexuais. Em três, já houve condenação por violação sexual mediante fraude e estupros de vulneráveis. Ele também foi condenado a 4 anos de reclusão por posse irregular de arma de fogo de uso permitido e por posse irregular de arma de fogo de uso restrito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.