MP-GO exige anulação de decreto de Iris que extingue cargos de procurador de Goiânia

Edição feita pelo prefeito de Goiânia extingue 56 cargos de procurador do município

O Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO), através da promotora de Justiça Marlene Nunes Freitas Bueno, propôs nesta sexta-feira (7/7) ação civil pública contra o município de Goiânia, exigindo a declaração de nulidade do decreto expedido pelo prefeito Iris Rezende, que extinguiu 56 cargos vagos de procurador do município.

A extinção ocorreu do quantitativo de 144 previstos por lei. Conforme esclarecido na ação, a administração municipal firmou termo de ajustamento de conduta com o MP-GO em 2011 para nomeação de aprovados em concurso público, existindo ainda cláusula de cumprimento pendente. Neste sentido, em 2016 uma decisão judicial foi proferida em ação que executou o acordo, determinando o seu cumprimento integral.

Assim, o município, além de prover 60 cargos de procurador jurídico, o que já foi feito, deveria contemplar um cadastro de reserva com 180 aprovados, sendo que, havendo desistência de posse, exoneração ou aposentadorias, os constantes dessa lista deverão ser nomeados, de acordo com a ordem de classificação, de forma que a Procuradoria-Geral mantenha em exercício, no mínimo, 118 procuradores durante o prazo de validade do concurso.

Contudo, odecreto foi editado sem o requisito indispensável à validade do ato: motivo. Em esclarecimento à promotoria, a Procuradoria-Geral do Município (PGM) ponderou que o ato teria sido pautado em processo administrativo, na avaliação das necessidades administrativas e na análise comparativa do quadro funcional das procuradorias das capitais de igual porte. Além disso, esclareceu que a extinção dos cargos vagos seria medida indispensável para que restasse praticável a estruturação física e econômica que se almeja quanto à PGM, a curto e médio prazos.

Entretanto, apurou-se que os argumentos apresentados pela procuradoria são incompatíveis com a verdade, por isso não correspondem ao interesse público, que deve prevalecer em toda atuação do gestor público. “Não bastasse a ausência de situação fática suficiente e adequada (motivo) a embasar a extinção dos cargos vagos de procurador do Município, a decisão contraria o interesse do erário, pois a PGM, pela incumbência legal de defender o patrimônio público municipal, deve contar com número suficiente de profissionais habilitados por concurso público, para atender com eficiência aos vastos interesses da administração pública municipal, cuja máquina é extensa”, disse Marlene Nunes.

Visando resolver a demanda de forma extrajudicial, a promotora expediu recomendação ao prefeito para a declaração de nulidade do ato. Contudo, a resposta da Procuradoria-Geral foi pela manutenção da extinção dos cargos.

Para a promotora, “a manifestação da Procuradoria-Geral, além de contraditória pelos seus próprios termos, apresenta argumentação fática que não se confirma no mundo empírico, antes, corrobora a demonstração dos vícios de motivo e de finalidade de que padece o ato. “O que o Ministério Público constatou foi o impacto negativo causado pela extinção dos cargos na esfera jurídica dos interesses da municipalidade, tendo em vista os vários órgãos e entidades da administração (direta, indireta e fundacional) que a compõem”, avalia.

2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Diogo

Iris Rezende agindo contra o povo e o interesse público!! Aff

Fernando

Parabéns ao Ministério Público, principalmente a Dra. Marlene pela brilhante ação proposta. O Brasil precisa de mais promotores de justiça com esse empenho distinto.
Iris Rezende e os novos procuradores concursados estão demonstrando que não respeitam o legítimo interesse público.
Há na extinção dos cargos interesses unicamente privado de uma pequena classe de procuradores que desejam apenas aumentar suas respectivas remunerações, sem, no entanto, preocupar-se com o interesse público.