MPF-GO abre inquérito para apurar suposto “recrutamento” de crianças e adolescentes brasileiros para a Venezuela

A medida tem como base supostas notícias do vice-presidente setorial do Desenvolvimento do Socialismo Territorial da Venezuela de que menores brasileiros são levados ao país vizinho para que venham a auxiliar na implementação da “revolução bolivariana” no Brasil

O Ministério Público Federal em Goiás (MPF-GO) instaurou inquérito para apurar ações e omissões ilícitas da reunião com relação à suposta condução de crianças brasileiras a Venezuela com o fim de serem “doutrinadas” em uma “revolução bolivariana”.

A medida tem como base supostas notícias do vice-presidente setorial do Desenvolvimento do Socialismo Territorial da Venezuela e titular do Ministério das Comunas, Elías Jaua, de que, desde 2011, crianças e adolescentes brasileiros são levados ao país vizinho para que venham a auxiliar na implementação da “revolução bolivariana” no Brasil.

O MPF-GO sustenta que o site do governo venezuelano afirma que 26 brasileiros menores de idade participaram, no Estado do Sucre, de “Brigadas Populares de Comunicação”, com o objetivo de transmitir, de diversas formas, as conquistas e os progressos de “crianças e adolescentes revolucionários”, além de treiná-los como futuros jornalistas para servir o país.

O procurador da República Ailton Benedito, responsável pelo inquérito, caso se confirme a condução de crianças e adolescentes para o país vizinho, a prática se configura violação aos direitos humanos. Para o prosseguimento das investigações, o MPF oficiou o Ministério das Relações Exteriores (MRE) para que forneça informações sobre as condições dos menores brasileiros em um prazo de dez dias.

O órgão busca saber também o tipo de atividades em que realmente estiveram envolvidos e quem seriam os responsáveis pelo grupo, entre outras.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.