Aplicativo permite que comunidade avalie e faça reclamações sobre escolas municipais e estaduais

Mapa Escolar também registra reclamações anônimas de alunos, pais, professores, técnicos e diretores

Foto: Divulgação

A primeira versão do aplicativo de controle social Mapa Escolar, que visa mapear informações da educação básica no ensino municipal e estadual de Goiás, foi apresentada em reunião no Ministério Público de Goiás (MP-GO) nesta terça-feira, 12. O lançamento oficial do App será feito em março deste ano.

Desenvolvido em uma parceria entre MP, Tribunal de Contas dos Municípios de Goiás (TCM-GO) e Universidade Federal de Goiás (UFG), a partir de plataforma criada anteriormente pelo TCM, o novo aplicativo vai permitir que alunos, pais, professores, técnicos e diretores avaliem as escolas municipais e estaduais e registrem reclamações anônimas.

O professor da UFG Walison Moreira, um dos coordenadores do desenvolvimento do App, explicou que o Mapa Escolar será dividido em duas ferramentas: o aplicativo para uso da comunidade e a versão web para gestores (diretores, secretários e integrantes de órgãos como o MP), onde haverá estatísticas e informações dos colégios. Na versão dos gestores, também será possível responder reclamações da comunidade.

No aplicativo, o usuário poderá avaliar as escolas, com até cinco estrelas, nas categorias Sala de Aula, Biblioteca, Sala de Informática, Segurança e Acesso para Deficientes. O professor Juliano Lopes de Oliveira, que também coordena o projeto na UFG, ressaltou que a linguagem e a interface de visual simples do aplicativo têm o objetivo de ampliar o alcance da ferramenta. Isso porque, segundo informou, muitas famílias contam com recursos básicos de tecnologia e acesso à internet.

Reconhecimento

O presidente do TCM, Joaquim de Castro, também enalteceu a criação do Mapa Escolar e afirmou que a plataforma vai ajudar o tribunal a apurar a destinação e o uso efetivo dos recursos públicos em educação. Já o secretário municipal de Educação, Marcelo Ferreira da Costa, reiterou que a ferramenta irá facilitar a comunicação entre órgãos e os diferentes entes federativos, fomentando, assim, a elaboração de ações conjuntas.

O procurador-geral de Justiça, Benedito Torres também elogiou o protótipo do aplicativo apresentado, o qual chamou de ferramenta de transparência. O PGJ afirmou que o novo aplicativo tem potencial de aproximar o MP da comunidade escolar e gerar informações úteis para tomada de decisões.

Reforçando o caráter colaborativo do projeto, a coordenadora do Centro de Apoio Operacional (CAO) Educação, Liana Antunes, relatou que, para desenvolver o aplicativo, o CAO Educação realizou um workshop com alunos, pais e professores, em novembro, para ouvir demandas e receber sugestões.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.