MP pede prisão de vereador de Goiás pela prática de nove crimes

Elvis Santos está sendo denunciado por associação criminosa, lavagem de dinheiro, corrupção passiva, peculato, entre outra infrações

Foto: Reprodução

Em denúncia criminal, o Ministério Público de Goiás (MP-GO) requer liminarmente a prisão preventiva do vereador de Valparaíso de Goiás Elvis de Souza Santos pelo envolvimento em diversos crimes que resultaram na alienação de imóvel pertencente à Câmara Municipal. Os crimes foram apurados no âmbito da Operação Venda Casada, deflagrada em conjunto com a Delegacia de Repressão a Crimes Contra a Ordem Tributária, em fevereiro de 2017.

Elvis Santos está sendo denunciado por associação criminosa, lavagem de dinheiro, corrupção passiva, peculato, falsificação de documento público, falsificação de documento particular, falsidade ideológica, dispensa irregular de licitação e fraude à licitação. Além dele, foram denunciados também o empresário Sandro Renato; o então diretor da Câmara Municipal de Valparaíso, Luiz Cláudio de Oliveira Santos; o engenheiro Hermann Gutemberg Walcácer Lima, e o empresário Kylmano Han Silva Han, sócio-administrador da construtora Euro Ltda.

Conforme sustentado pelos promotores de Justiça Daniel Naiff da Fonseca e Oriane Graciani de Souza, em 2015, o vereador Elvis Santos, à época presidente da Câmara, ajustou com Sandro Renato a alienação de imóvel localizado no loteamento Jardim Céu Azul pertencente ao Poder Legislativo. Na negociação, ficou acertado que a alienação seria direcionada em benefício do empresário e mediante a permuta com imóveis localizados no loteamento Parque Rio Branco, com construção de prédio a abrigar a nova sede da Câmara.

Para a concretização das irregularidades, Sandro Renato utilizou-se de empresa de fachada de sua propriedade, denominada Eltecom Participações e Incorporações S/S, e contratou a empresa Construtora Euro Ltda, indicada pelo vereador para realizar a construção. Segundo apontado na denúncia, “tais estratagemas serviram somente para encobrir a corrupta relação que envolvia os denunciados”.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.