MP-GO recomenda cancelamento de evento agropecuário em Caturaí

Recomendação assinada pelo promotora de Justiça Márcia Maria Samartino Costa busca evitar a aglomeração e a propagação do coronavírus

Organizadores tem prazo de 48 horas para responder a recomendação| Foto: Reprodução

O Ministério Público de Goiás (MP-GO), por intermédio da Promotoria de Justiça de Araçu, recomendou aos empresários Ramon Medeiros de Vasconcelos e Gilvan Esteves Valim o cancelamento do evento agropecuário Rancho GV Esperança, que seria realizado nos dias 5 e 6 de fevereiro. Sediado na Chácara Esperança, zona rural de Caturaí, o evento teria a disputa das provas de laço e equestre. O objetivo da recomendação, assinada pela promotora de Justiça Márcia Maria Samartino Costa, é evitar a aglomeração de pessoas e a propagação do novo coronavírus. 

Os organizadores informaram que o espaço utilizado no evento teria um total de 2 mil metros quadrados e seria coberto por uma tenda de galpão aberta, de 32 metros de largura por 60 metros de comprimento. Ainda segundo os organizadores, seriam utilizadas 150 mesas. 

Entretanto, a justificativa não convenceu a promotora. Em sua argumentação, Márcia Maria Samartino Costa explicou dizendo que a festa “causará, inevitavelmente, enorme aglomeração de pessoas, com alta probabilidade de desobediência individual de recomendações, colocando em risco a saúde pública”. A promotora citou outras festas que foram canceladas em Goiás por conta da pandemia, como por exemplo a Festa do Divino Espírito Santo, em Pirenópolis, e a Procissão do Fogaréu, na cidade de Goiás, sendo que esta última tem tradição de 275 anos. 

Foi fixado o prazo de 48 horas para o envio de resposta escrita sobre as providências que serão adotadas visando o cumprimento da recomendação do Ministério Público de Goiás.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.