MP-GO denuncia dois PMs por morte de refém em Senador Canedo

Decisão difere da Polícia Civil, que indiciou apenas um dos soldados pela morte direta de Tiago Messias. O outro sargento foi indiciado apenas por forjar a cena do crime

Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) denunciou nesta quinta-feira (4/1), por duplo homicídio qualificado, um sargento e um soldado da Polícia Militar pela morte do auxiliar de produção Tiago Messias Ribeiro, assassinado enquanto era feito refém em um assalto, em Senador Canedo.

Na ocasião, o adolescente suspeito do crime também foi assassinado, e os PMs foram indiciados ainda pela morte dele.

O MP também solicitou ao Tribunal de Justiça (TJ-GO) a conversão da prisão deles em preventiva para que respondam o processo em regime fechado. Os denunciados e mais dois outros PMs, que também estavam no momento da abordagem, seguem presos.

Na última quarta-feira (3), a Polícia Civil indiciou os dois soldados da Polícia Militar envolvidos no caso, mas um foi por ter atirado em Tiago, enquanto outro por ter fraudado a cena do crime ao forjar tiros de dentro para fora do carro.

O caso

Tiago Messias Ribeiro, de 31 anos, foi morto enquanto era feito refém. Ele foi abordado pelo suspeito na chácara onde mora com a família, em Senador Canedo, sendo obrigado a entrar no carro e dirigir para o assaltante. O tiroteio ocorreu próximo a um posto de gasolina.

Em um primeiro momento, a polícia informou que os agentes haviam sido recebidos a tiros e, por isso, revidaram. Dias depois, entretanto, imagens mostraram o homem sendo socorrido após ser baleado.

No vídeo, a vítima é retirada do carro e colocada no porta-malas do veículo da PM. Neste meio tempo, um outro policial entra no VW Gol pela porta do passageiro, se abaixa e faz vários disparos no para-brisas do veículo.

Deixe um comentário