MP-RJ suspeita que parte do dinheiro gasto na aquisição da franquia Kopenhagen e adquirido com venda de chocolates viria do esquema de “rachadinha” na Alerj

Foto: Reprodução.

O Ministério Público do Rio (MP-RJ) investiga se a compra de uma franquia da Kopenhagen pelo senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e a movimentação financeira da loja foram usadas para lavar dinheiro, em um esquema que “legalizou”, ao menos, R$ 2,1 milhões. O senador nega ter cometido qualquer tipo de crime.

De acordo com os autos, cerca de R$ 500 mil teriam sido ocultados na aquisição da loja, em dezembro de 2014. Enquanto R$ 1,6 milhão foi movimentado na conta da empresa de forma suspeita — lançado como venda de chocolates, em dinheiro vivo, para dissimular a origem dos recursos.

Parte do valor seria desviada do esquema de “rachadinha”, no antigo gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Os investigadores apontam que as quebras de sigilo evidenciaram “aportes de recursos em espécie na conta bancária da empresa de forma desproporcional ao seu faturamento”, bem como indicam conexão entre valores lançados como venda em dinheiro com datas de arrecadação dos salários de assessores do gabinete pelo seu ex-assessor Fabrício Queiroz.

Bolsotini Chocolates e Café

Os salários de assessores eram lançados nos registros de comercialização da Bolsotini Chocolates e Café. “Evidentemente, o destino final dos recursos ilícitos não era o empreendimento comercial, mas, sim, dar aparência lícita ao produto do crime de peculato antes do ingresso formal dos valores no patrimônio pessoal do parlamentar”, diz documento da Promotoria que pediu de quebra de sigilo.

A Bolsotini Chocolates e Café foi comprada por R$ 1 milhão em 2015. A antiga dona da loja recebeu R$ 800 mil. Mais R$ 200 mil foram de integralização de capital (R$ 100 mil de cada sócio) e R$ 45 mil da taxa de franquia.

O valor teria sido custeado integralmente pelo filho do presidente, segundo as investigações. Os R$ 550 mil saíram da conta da sua mulher, Fernanda Antunes Figueira Bolsonaro, que não é sócia formal do negócio. Na declaração de Imposto de Renda, o senador declarou em 2014 ter colocado R$ 50 mil no negócio. 

(Com informações do jornal Estadão)