MP aciona empresas para esvaziar barragens de rejeitos e remover residentes

Apuração do órgão identificou que, apesar de represas serem de baixo risco, têm alto dano potencial associado

As empresas Mosaic Fertilizantes P&K Ltda e Coperbrás Indústria Ltda  foram acionadas pelo Ministério Público de Goiás (MPGO), por meio do promotor de Justiça Roni Alvacir Vargar, para esvaziar as barragens, de Catalão e Ouvidor, mantidas com rejeitos advindos da extração de rocha fosfatada para a fabricação de fertilizantes, que são mantidas por elas. Além disso, o MPGO solicitou a remoção de todos os residentes na Zona de Autossalvamento (ZAS) para moradias urbanas dignas.

Estas remoções devem ser feitas por conta das requeridas até a conclusão da obra de esvaziamento das barragens. Na ação, foi pedido, ainda, que as empresas tomem medidas, a fim de evitar danos ambientais e, obviamente, à vida humana.

Análise

Apesar da apuração indicar as barragens como de baixo risco, esta também identificou que elas têm alto dano potencial associado e grande impacto ao meio ambiente. O promotor explicou que a 3ª Promotoria de Catalão instaurou inquéritos para verificar as condições das represas no município e em Ouvidor, após a tragédia de Mariana, em 2015.

Vale lembrar que o rompimento da barragem de rejeitos da mineradora Samarco, em Minas Gerais, matou 19 pessoas, destruiu distritos e deixou milhares de moradores da região sem água e sem trabalho, sendo considerado o maior desastre ambiental do País. Os impactos ambientais foram sentidos em MG e também no Espírito Santo. À época, um mês após o ocorrido, foram retiradas 11 toneladas de peixes mortos.

Inclusive, o promotor lembrou que tanto as barragens da Samarco, quanto a da Vale, em Brumadinho, também Minas Gerais, que se rompeu esse ano, tinham documentação que atestavam segurança.

Barragem de Brumadinho | Foto: Carolina Ricardi

Pedidos

O Estado, também réu na ação, foi acionado para suspensão imediata de licenciamentos para obras de elevação de barragens de rejeitos das requeridas, em Catalão. O MPGO pediu, também, a suspensão da licença de funcionamento da Mosaic para obras de elevação da represa para extração de rocha fosfatada para a produção de fertilizantes.

Ainda à Mosaic, a promotoria solicitou de forma liminar que se pare a obra e instalação de medidas técnicas para reduzir o armazenamento de água.

Em relação à Coperbrás, a petição solicita que se suspenda a licença de instalação da obra de elevação da Barragem do Buraco até a cota de 860 metros. Em caso de não ter sido dado a concessão, o texto pede a proibição desta, além de prazo de 60 dias para que empresa reduza, por medidas técnicas, o armazenamento de água no local.

Mais solicitações

Tanto à Mosaic quanto a Coperbrás, é pedido a apresentação de medidas preventivas de alerta e orientação à população residente na Zona de Autossalvamento (ZAS) e na Zona de Salvamento Secundário (ZSS).

Para o promotor Roni Alvacir, o órgão ambiental estadual, que ele pede que reveja o processo de beneficiamento da rocha fosfática com novas tecnologias que não utilizem armazenamento de rejeitos em represas, deve reanalisar, também, as exigências relativas às empresas.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.