Motoristas de aplicativo protestam contra alta do combustível em Goiânia e Senador Canedo

Com um intervalo para almoço, previsão é de que a manifestação em ambas as cidades volte a ocorrer a partir das 13h e se estenda até o final do dia. Segundo um dos organizadores, classe permanecerá unida até que algum representante do governo os receba no Palácio

Concentração dos motoristas no Cepal do Setor Sul / Foto: Reprodução

Motoristas de aplicativo se reuniram, na manhã desta sexta-feira, 26, em ato de protesto no entorno da Praça Cívica, no centro de Goiânia. A categoria se mobiliza contra a disparada do preço do combustível que tem assolado a vida dos trabalhadores do segmento de transporte.

Outro movimento foi iniciado simultaneamente em frente a empresa Federal Petróleo, no município de Senador Canedo. Com um intervalo para almoço, previsão é de que a manifestação em ambas as cidades volte a ocorrer a partir das 13h e se estenda até o final do dia.

O Jornal Opção conversou com um dos idealizadores do movimento. Segundo o motorista de aplicativo, Fábio Júnior, uma das reivindicações da classe é a redução imediata do ICMS. “Buscamos uma redução de 50% do valor incidente sobre o preço do combustível. Manteremos o grupo reunido até que alguém do governo nos atenda”, destacou.

A liderança disse entender, assim como os demais manifestantes, que a redução ou aumento não se deve apenas a um único fator isolado. Porém, defende que a redução do ICMS ofereceria à classe uma resposta imediata ante uma situação “insustentável”.

“Nosso compromisso é permanecermos off-line de todos os aplicativos de transporte e, com isso, despertar a atenção não só das plataformas, como também dos governantes e usuários”, finalizou. O encontro no anel da Praça Cívica contou, até às 12h, com a participação de aproximadamente 300 carros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.