Motorista do Samu diz ser comum pagamento de propina por UTIs de Goiânia

Condutor socorrista contou ao Jornal Opção detalhes de seu depoimento ao Ministério Público durante investigações da operação SOS Samu

*Atualizada às 22 horas

F. tem 41 anos e há 7 trabalha como condutor socorrista do Samu. Em fevereiro deste ano, foi intimado a depor no Ministério Público de Goiás para prestar esclarecimentos sobre a existência de um esquema de propina com participação da corporação.

Aos promotores de Justiça, ele informou que já tinha ouvido falar sobre o conluio, mas nunca havia recebido qualquer vantagem indevida para encaminhar de forma irregular pacientes com planos de saúde a determinadas Unidades de Terapia Intensiva da capital.

Disse também que tinha conhecimento que as propinas, que conforme soube variavam de 400 a mil reais, eram pagas por pessoas ligadas às UTIs a uma “terceira pessoa”, que, por sua vez, as repassavam aos servidores do Samu.

Também confirmou que já teria ouvido relatos que davam conta que técnicos de enfermagem da corporação chegaram a rebaixar o nível de consciência de um paciente para que o mesmo fosse encaminhado à UTI. O profissional ressalvou, no entanto, que não poderia acreditar que a prática de fato ocorresse e fez questão de frisar que jamais demonstrou ser conivente perante as suspeitas.

Os detalhes do depoimento de F. foram passados à reportagem pelo próprio motorista, que contou, em entrevista ao Jornal Opção, nesta terça-feira (22/6), que a corporação vivencia um clima de decepção, desde que a operação “SOS Samu” foi deflagrada pelo MPGO.

“Eu conheço todos as pessoas que foram presas. A gente ouvia falar, e era tudo escondido. Ficamos muito surpresos. Têm pessoas boas que se envolveram nisso por bobeira”, alegou o profissional.

F. também disse à reportagem que a prática é comum em diversas UTIs da capital, e a existência de propinas para direcionar pacientes não é exclusividade do Samu. “Isso não é de hoje e não é só o Samu. Os Bombeiros também fazem. Todo mundo faz. É um câncer movido por dinheiro que torço para acabar”, disse.

O condutor também lamentou a divulgação de informações possivelmente equivocadas pela imprensa, desmentindo que o esquema ilícito poderia ter tirado vagas de UTI de pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS). “Isso não existe. Essas vagas são reguladas pela prefeitura e não tem como o Samu levar direto e retirar vagas de pacientes do SUS colocando os pacientes conveniados. A quantidade de cada já é definida”, explicou.

Por fim, o condutor socorrista afirma que vem sendo hostilizado nas ruas e que toda a categoria está pagando o preço pelas irregularidades investigadas. “Está todo mundo pagando. A população e a imprensa estão ficando contra a gente. Infelizmente, ocorreram essas coisas e cabe ao Ministério Público investigar”, finaliza.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

coroneu sucuri

TURMA DE CARNICEIROS, AVIDA DAS PESSOAS E O Q SUSTENTA SUAS FAMILIAS,NÃO PENSARÃO Q NÃO PODEM BRINCAR COM AS VIDA Q ESTAVAO PRECISANDO DE VC E O Q VC FAZIA, SAO DESUMANO PENSE NA VIDAS DE SUA FAMÍLIAS SE PRECISA SE DE VC.