Moro diz não ver problema nas mensagens trocadas, mas não lembra de ter mandado

Perguntado se permitiria ao Telegram enviar as mensagens que estão na nuvem à PF, o ministro se resumiu a dizer que estas não existem, pois ele deixou o app em 2017

Foto: Reprodução / TV Câmara

Em sabatina da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, conjuntamente com a Comissão de Direitos Humanos e Legislação do Senado, o ministro Sergio Moro falou sobre as mensagens trocadas no âmbito da Lava Jato com procuradores, enquanto ainda era juiz, e divulgadas pelo The Intercept. Ao ser questionado pelo senador Ângelo Coronel (PSD), o ex-magistrado afirmou que se as mensagens são autênticas, ele não vê problema, mas não se lembra do que enviou há três anos.

Ele, que já havia dito que a divulgação feita pelo The Intercept era sensacionalista, comentou acerca da mensagem em que ele dizia confiar no ministro Luiz Fux [In Fux we trust]. “Me parece absoluto sensacionalismo e o veículo que divulgou só queria constranger o Supremo Tribunal Federal”.

Moro ainda afirmou que cumpriu o seu dever e seguiu o ritmo dos processos. “Outros profissionais que apreciaram as minhas decisões fizeram da mesma forma. As decisões foram confirmadas pelo TRF4, STJ. Essas pessoas cometeram crimes e têm que responder pelos seus atos”, pontuou.

Questionamento

O questionamento original de Ângelo era se o ministro permitiria que o Telegram passe a Polícia Federal os dados que estavam nas nuvens. Moro não chegou a responder, o que fez com que o senador refizesse o questionamento.

Então, Moro afirmou, apenas, que não fica nas nuvens e que ele deixou o Telegram em 2017. “Não existem essas mensagens para que eu possa disponibilizar”. Em outra parte da pergunta, era solicitado que o ministro da Justiça pedisse a Deltan Dallagnol, procurador e coordenador da Lava Jato em Curitiba, que passe, então, seu aplicativo à PF.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.