Ministro defendeu ainda que com definição do impeachment de Dilma Rousseff, investimentos no país devem ser destravados

De acordo com o ministro da Secretaria de Programa de Parcerias de Investimento (PPI), Moreira Franco, a definição do impeachment da presidenta eleita Dilma Rousseff (PT) poderá destravar os investimentos no país, principalmente em relação ao capital estrangeiro. O ministro afirmou que a tensão política gera insegurança na hora de tomar decisões econômicas.

“De fato, só dois países no mundo têm dois chefes de Estado na mesma cidade. O Vaticano, que tem dois papas, e o Brasil. No Vaticano, pelo menos eles rezam juntos. Aqui, há um ambiente de muita tensão política e isto se reflete na disposição dos investidores no país. Resolvido isso, eu não tenho dúvida que não só investidores estrangeiros mas também brasileiros vão se sentir mais seguros e confortáveis”, disse Moreira Franco durante conversa sobre o programa de privatização do governo para o futuro.

O ministro negou ainda que haja planos para privatização do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal apesar de assumir que alguns serviços financeiros poderiam ser entregues à iniciativa privada. “Não há intenção de privatização nem da Caixa Econômica nem do Banco do Brasil. Mas evidentemente existem serviços nesses bancos com a possibilidade de associação, concessão, como, por exemplo, no caso da Caixa Econômica, das loterias”.

Moreira Franco considerou, ainda, que a situação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) é preocupante. O banco apresentou prejuízo líquido de R$ 2,174 bilhões no primeiro semestre deste ano.

“O que gerou toda essa dificuldade do BNDES foi a necessidade do banco usar, de maneira abundante, o crédito subsidiado, com esta diferença coberta pelo Tesouro. Estamos tomando medidas de natureza regulatória para evitar que coisas assim ocorram”, explicou.

Por fim, o ministro confirmou que há interesse da China em construir um trem-bala entre Rio de Janeiro e São Paulo.” Já tive alguns contatos com o embaixador chinês e ele demonstrou uma vontade muito clara. Mas é preciso sair da intenção e ir para a realidade. Ainda está muito em uma linguagem diplomática e não na linguagem técnica”, disse. (Com informações da Agência Brasil)