Monitor aponta intensificação da seca em Goiás

Em comparação com mês anterior, novembro apresentou piora na condição de seca relativa em partes de Minas Gerais, Goiás, Paraná e Santa Catarina

Um levantamento do Monitor de Secas divulgado nesta segunda-feira, 21, pela Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) e instituições parceiras, apontou que, em novembro, houve piora na condição de seca relativa em partes de Minas Gerais, Goiás, Paraná e Santa Catarina, em comparação ao mês anterior.

São Paulo, que pelo primeiro mês figura no monitor, ingressa com seca extrema em parte de sua região Norte.

Entre as regiões, na Região Nordeste, com a ocorrência de chuvas, houve recuo na seca moderada nos estados do Maranhão, Piauí, Pernambuco e Bahia. Também ocorreu recuo de seca fraca nos estados do Maranhão, Paraíba, Pernambuco e da Bahia.

Na Região Sudeste, a seca avançou em grande parte do território, devido às chuvas abaixo da normalidade e aumento nas temperaturas. Por outro lado, houve recuo da seca fraca em áreas do norte de Minas Gerais e no Rio de Janeiro, onde as chuvas foram acima da média.

Na Região Sul, houve agravamento da seca nos três estados em consequência de chuvas abaixo da média e aumento nas temperaturas.

Nos demais estados cobertos pelo Monitor, pode-se destacar o abrandamento da seca no norte do Tocantins, graças a aumento das chuvas. Também se destaca avanço da seca grave no leste do Mato Grosso do Sul e a intensificação da seca no oeste de Goiás, que passou de grave para extrema.

O Monitor de Secas

O Monitor de Secas é coordenado pela Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), com o apoio da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (FUNCEME), e desenvolvido conjuntamente com diversas instituições estaduais e federais ligadas às áreas de clima e recursos hídricos, que atuam na autoria e validação dos mapas. Por meio da ferramenta é possível comparar a evolução das secas nos 19 estados e no Distrito Federal a cada mês vencido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.