Ministro Gilmar Mendes é eleito presidente do TSE

Também ministro do Supremo Tribunal Federal, a vice-presidência do Tribunal Superior Eleitoral será ocupada por Luiz Fux

Ministro Gilmar Mendes assume a presidência do TSE | Foto: Dorivan Marinho/ STF

Ministro Gilmar Mendes assume a presidência do TSE | Foto: Dorivan Marinho/ STF

A partir de maio o comando do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) passa a ser ocupado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, eleito ao lado do também ministro Luiz Fux, que ocupará o cargo de vice-presidente do TSE. A informação de que os dois foram eleitos foi confirmada pela Justiça Eleitoral nesta quinta-feira (7/4), como informou hoje a Folha de S. Paulo.

Crítico ferrenho do governo federal liderado pela presidente da República Dilma Rousseff (PT), Gilmar Mendes já deixou claro que pretende ser lembrado com presidente do TSE por fiscalizar com rigor a prática de caixa dois o exame das prestações de contas dos candidatos nas eleições.

Gilmar Mendes assume a presidência do TSE no ano da primeira eleição em que a doação privada de campanha será proibida por parte de empresas. Dados do TSE divulgados pela Folha dão conta de que serão mais de 400 mil candidaturas a prefeito, vice-prefeito e vereador em todo o Brasil em 2016.

Cabe ao TSE analisar, junto aos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) os pedidos de registro de candidatura, a disputa nas eleições e as prestações de contas apresentadas pelos candidatos.

Estará nas mãos de Gilmar Mendes à frente da Corte Eleitoral também os quatro casos de denúncia contra a chapa de Dilma Rousseff e do vice-presidente Michel Temer (PMDB) por abuso de poder econômico, político e suspeita de uso de recursos desviados da Petrobras para financiar a reeleição em 2014.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

leila mattos

Esse juiz nada ético e muito menos íntegro,completamente comprometido com uma sigla partidária,não tem isenção e muito menos credibilidade pra presidir o TSE…