Balanço de 2020 é apresentado pelo Ministério, destacando a operação para trazer equipamentos de proteção contra Covid-19

Transporte aéreo foi peça importante na importação de máscaras para o Brasil | Foto: Divulgação

O Ministério da Infraestrutura publicou o seu balanço anual nesta segunda-feira, 14, destacando a sua colaboração no enfrentamento da pandemia de Covid-19 ao longo do ano. De acordo com a pasta, foram mais de 960 toneladas de máscaras cirúrgicas N95 importadas para o Brasil, por meio de operações do ministério.

“Durante três meses, 39 voos partiram da China, em uma operação inédita de logística que cruzou 11 fusos horários diferentes para chegarem ao destino final”, informou a pasta. O ministro Tarcísio Gomes de Freitas enxergou a manutenção da logística durante a pandemia como uma vitória e garantiu, “o Brasil está preparado, do ponto de vista logístico, para fazer a distribuição de vacinas”.

Além da questão da pandemia, outros pontos foram levantados no balanço da pasta. 86 obras prioritárias foram entregues e mais de 1200 quilômetros de estradas foram construídos em 2020. Essas realizações reduziram o custo da produção agrícola em 11%, segundo um estudo da Empresa de Planejamento e Logística (EPL).

Aeroportos

Conforme o Ministério da Infraestrutura, ao longo do ano foram firmadas 12 concessões de ativos de infraestrutura, sendo nove leilões e três renovações antecipadas. “Nosso foco é a iniciativa privada”, afirmou o ministro. Além disso, a pasta destacou a ampliação de aeroportos como o de Foz do Iguaçu (PR), como benefícios para o setor em 2020.

Para o ano que vem, a previsão da pasta é de 23 concessões para aeroportos no País. Devem se beneficiar nove terminais da Região Sul, sete da Região Norte e outros seis no Centro-Oeste e Nordeste do país. “Entre os principais, estão os aeroportos de Manaus, Goiânia e Curitiba, que devem ancorar os blocos.” informa o ministério. 

Investimentos para o ano que vem

Para 2021, o Ministério da Infraestrutura planeja conceder 52 ativos à iniciativa privada. A expectativa é de que, por meio de concessões, privatizações e renovações, R$ 137,5 bilhões sejam investidos em infraestrutura no país. Outros R$ 3 bilhões serão obtidos por meio de outorgas.

Além das cessões aeroportuárias, estão previstas 17 concessões para terminais portuários; duas ferrovias e uma renovação antecipada. A pasta prevê também a concessão de 11 lotes de rodovias e a venda da Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa) para a iniciativa privada.

(Esta matéria conta com informações da Agência Brasil)