Ministério Público repassa orientações sobre funcionamento de colégios militares

Solicitações financeiras da direção das unidades aos pais são voluntárias e não podem gerar sanções


Promotor recebeu certificado de palestrante do diretor da unidade e alunas
Foto: Divulgação

Em palestra para pais e alunos do Colégio Militar de Itapaci, o promotor de Justiça Francisco Borges Milanez abordou orientações sobre o funcionamento específico dessas unidades e esclareceu temas como contribuições voluntárias. Em sua fala, o integrante do Ministério Público do Estado de Goiás destacou a importância do fortalecimento da Associação de Pais e Mestres do colégio como forma de fomentar a educação no ensino médio e fundamental.

Em relação às contribuições a essas associações, o promotor ressaltou seu caráter voluntário, frisando que nenhuma taxa de matrícula, de uniforme, para realização de provas ou outras podem ser dirigidas aos pais. Segundo esclarecido na palestra, as solicitações financeiras da direção da unidade aos pais são voluntárias e não podem gerar sanções. Por outro lado, o promotor aconselhou aos pais que compareçam e acompanhem o trabalho das associações, dedicando seu tempo às necessidades da escola.

Francisco Milanez pontuou ainda os bons resultados alcançados pelo colégio militar na cidade e reiterou o apoio do MP ao trabalho desenvolvido. Agradeceu a comunidade escolar em nome do diretor da unidade, tenente-coronel Jefferson Gomes Souza. (Com informações do MPGO)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Hosamis

O discurso é bem diferente desse da matéria, pelo menos nas escolas militares de Goiânia. Os pais podem até se negar a pagar durante o ano, mas se não quitarem essa “contribuição voluntária”, não conseguem fazer a matrícula de seus filhos para o ano seguinte.