Segundo o promotor Denis Augusto, imóveis e veículos em nome dos candidatos a Prefeito de Anápolis não estavam listados junto ao TSE

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) encontrou divergência na declaração de bens de dois candidatos a Prefeitura de Anápolis. Segundo o promotor eleitoral Denis Augusto Bimbati, o candidato Márcio Corrêa (MDB) e Antônio Gomide (PT) deixaram de declarar ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) alguns dos bens que estão em seus nomes. 

Em documento enviado à Justiça Eleitoral, o promotor lista três imóveis que estão registrados em nome do emedebista Márcio Corrêa, mas que não teriam sido listados na declaração de bens entregue ao TSE. Dois dos imóveis estão localizados no Bairro Jundiaí e o terceiro, no Centro de Anápolis.

No caso de Antônio Gomide, o promotor aponta que há uma fazenda registrada junto a Agrodefesa do Estado que está em nome do candidato petista. A propriedade fica localizada em Anápolis. O MP-GO também indicou dois veículos, um modelo Saveiro e outro Uno, que constam como bens Gomide. 

No documento encaminhado pelo promotor, ele pede ao juiz que notifique os candidatos para que “afigure-se a correta declaração de bens”.

Respostas dos candidatos

A assessoria de Antônio Gomide explicou que a declaração de bens já foi atualizada junto Justiça Eleitoral. De acordo com o advogado eleitoral, Carlos Alberto Lima – responsável pela campanha do petista – a questão levantada pelo MP-GO já foi respondida pela Justiça Eleitoral, que já acabou as justificativas apresentadas, deferindo o pedido de registro.

Já assessoria do candidato Márcio Corrêa declarou que os imóveis apontados pelo MP já não pertencem mais ao emedebista, no entanto o comprador não havia feito a mudança de titularidade junto a Saneago, o que gerou a inconsistência. O advogado afirmou que já foram feitos os esclarecimentos junto à Justiça Eleitoral e as justificativas acatadas.