Miliciano Ecko tentou tirar arma de agente antes de ser morto, diz Polícia Civil do RJ

Considerado o mais perigoso chefe de milícia da cidade carioca, ele antes já tinha sido baleado em casa, ao tentar fugir

A Polícia Civil informou que o miliciano Wellington da Silva Braga, o Ecko, morto neste sábado, 12, foi baleado duas vezes na Operação Dia dos Namorados. Ele era o chefe da maior milícia do Rio e um dos bandidos mais procurados do País.

O primeiro disparo foi na casa da família dele, na comunidade Três Pontes, bairro de Paciência, onde estavam sua mulher e três filhos, enquanto tentava fugir. Já o segundo, de acordo com o titular da Subsecretaria de Inteligência, Tiago Neves, foi dentro da van para o helicóptero.

Ecko então teria tentado retirar a arma de uma policial e até apertado várias vezes a pistola, que, no entanto, estava travada. Um efetuou o disparo fatal.

Wellington da Silva Braga, o Ecko, considerado o mais poderoso chefe de milícia do Rio | Foto: Polícia Civil/RJ

Na abordagem, Ecko mostrou-se alterado, segundo os agentes, o que levantou hipótese de uso de drogas. Ao ser levado, ferido, o miliciano dizia que estava bem.

A inteligência da PC carioca havia descoberto que Ecko visitaria a mulher no Dia dos Namorados. Então, foi feita uma “prontidão de três dias”, segundo o subsecretário.

Após o primeiro tiro, Ecko foi levado de Paciência para a Lagoa, de helicóptero, de forma a cumprir o procedimento para casos como esse. Durante o trajeto, houve o segundo tiro. De lá, foi de ambulância até o Hospital Miguel Couto, onde chegou morto.

* Com informações de O Globo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.