Na noite desta sexta-feira, o site Metrópoles divulgou reportagem exclusiva na qual mostra provas que ligam a ex-primeira dama Michelle Bolsonaro a um suposto “caixa 2” da presidência.

As investigações do Supremo Tribunal Federal (STF) tem na mira o tenente-coronel Cid por transações financeiras com dinheiro em espécie no gabinete de Jair Bolsonaro e mostra Michelle como uma “cliente vip” dos serviços do militar.

Mensagens e outros documentos mostram que a primeira-dama mandava que seus auxiliares passassem no Planalto para buscar dinheiro com Cid. As operações sempre envolviam recursos em espécie, ou seja, dinheiro vivo.

Pessoas de confiança do tenente-coronel, formado por pelo menos três oficiais, estavam sempre prontos a atender a primeira-dama, seja para fazer depósitos solicitados por Michelle, ou até mesmo para entregar valores que eram usados pelos próprios auxiliares para pagar boletos e outras despesas particulares, dela e de familiares.

De acordo com a reportagem, quase sempre os assuntos eram conversados em mensagens de WhatsApp, o que facilitou o trabalho dos investigadores a serviço de Alexandre de Moraes.